Polêmica: A Verdade Sobre a Copa 2014

1 de outubro de 2012

Já vi este documentário duas vezes… Não sei o que eu senti.

Por um lado mostra os moradores de comunidades descobrindo, o que eles acham ser, o real motivo dos remanejamentos. Mostra como eles entendem a desfavelização. E o que está por trás de todas as obras da Copa no Brasil. Sobre os atrasos propositais, compartilho do mesmo pensamento, inclusive já falei aqui sobre as licitações emergenciais.

Por outro lado eu, playboy (como já me chamaram), me questiono se eles realmente entendem que invadiram as encostas e morros do Rio de Janeiro. É terrível falar isso, mas as favelas são, ou deveriam ser, ilegais… Se eu construir uma mansão com vista privilegiada para o mar sem pagar absolutamente nada eu, provavelmente, teria um imóvel ilegal. Portanto, qual é a mágica de construir casas simples, sem nenhuma autorização e crer que tem o direito de permanecerem alí.

A zona portuária do Rio é um caos, imunda e abandonada, não podemos ser contra o desenvolvimento daquela área… Isso é um exemplo de uma das áreas que conheço e que foi mencionada no vídeo.

Não sou contra quem mora em comunidades, só estou sendo realista.

Imagino que morar por mais de 40 anos em uma comunidade possa parecer que você é dono/pertence àquele lugar, daí vem todos este sentimento do vídeo. Eu sei, que isso irá gerar uma confusão tremenda nos comentários, mas recomendo MUITO que assistam.

Me fez pensar…

Da parte da produção, captação de imagens, qualidade dos textos e alto teor de provocação, no sentido de questionar empreiteiras multimilionárias eles estão mais do que de parabéns. Está tudo impecável!

Convido, inclusive, os autores do vídeo para um bate-papo, quem sabe, se eles aceitarem, a gente publica aqui e vamos nos entendendo.

184 pessoas já comentaram

  • Marcelo disse em 01/10/2012 | 06:17.

    Pois é. Foi uma invasão ilegal? Sim. Se foi há mais de quarenta anos, então já é da pessoa sim. Aliás, basta ser mais de 10 pela lei, se não me engano. Se tirar de lá, vai botar aonde? Porque com o lixo, a gente manda pra bem longe. Mas estamos falando de pessoas, que vão continuar a precisar de trabalho.
    Não deu certo com o Alemão, criado a partir de uma idéia similar. Não sei como poderia dar certo agora. Agora, esse é o sonho da zona sul do Rio: ver as favelas bem longe e mais mansões bem pertinho.

    Responder

      • Dondiego disse em 01/10/2012 | 06:28.

        Ainda não vi o vídeo e somente li o texto, mas gostaria de ressaltar uma situação que me parece pertinente. Alguém já reparou no tanto de “incêndios acidentais” que ocorreram recentemente em favelas?

        Responder

      • Vinicius disse em 02/10/2012 | 10:50.

        Pois é.

        Responder

      • Vinicius disse em 02/10/2012 | 10:58.

        É engraçado como nossa politica funciona, ontem mesmo eu vi um reportagem sobre isso no CQC. Onde pessoas com dinheiro invadem e constroem suas mansões casas em um lago público, o que é ilegal perante à lei, também, de acordo com a lei, essas propriedade podem ser demolidas sem aviso, ou seja, é só chegar lá e demolir. Isso acontece? NÃO! Estão tentando até legalizar essas propriedades.
        Aqui a gente vê o choque de realidades. Nas favelas eles chegam intimidando, botando o pessoal pra fora à força…quebrando tudo. É ilegal? Tem que tirar? Tira! Mas sejamos justos, tem que tirar o rico e o pobre, ou só porque alguem tem dinheiro ele tem o direito de infringir a lei mas que os outro.
        Acorda Brasil! Vamos ser justos.

        Matéria do CQC
        Proteste Já – e a invasão de locais públicos em Brasília.

        Responder

      • douglas disse em 02/10/2012 | 01:51.

        Vinicius, Você está certo, mas ainda existem pessoas decentes no Ibama que tratam de tirar os ricos de lugares invadidos.
        Flávio, o problema nesse assunto é que ele é bem mais sério do que parece. nâo é só por que foi invasão, estão numa situação irregular, que o poder público tem o direito de retira-los e deixar que Deus os acuda. O certo era, se fosse feita a retirada dos moradores, que seja feita uma restauração da mata nativa, tentar voltar ao que era antes, floresta, mas o que vai acontecer ai é retirar o pobre e dar o terreno as empreiteiras.
        O máximo que está sendo feito com as famílias é se pagar uma miséria de bolsa aluguel ( que nao da para alugar porra nenhuma! não existe imóvel na cidade do Rio de Janeiro que seja possivel viver com uma familia pagando o aluguel que o governo oferece) ou então pagando a passagem do busão para aquela fampilia voltar para a sua terra de origem, o que ela vai fazer lá, não é mais problema do governo carioca.

        Responder

      • José Victor disse em 02/10/2012 | 03:44.

        Proponho um aprofundamento no assunto:

        A título de curiosidade, proponho que todos busquem a Cadeia Dominial de sua propriedade.
        Ótimo, agora com ela em mãos, demonstre o início dela.
        Perfeito, agora vamos discutir sobre a legalidade de tal início da cadeia, e vamos discutir, também, se uma ilegalidade no início da cadeia resultaria em uma cadeia por toda ilegal.O que acham?

        Outro tema a ser debatido:
        artigo 5°, XXIII – a propriedade atenderá a sua função social. CF/88.

        O que pensam sobre isso?

        Responder

      • Gg disse em 03/10/2012 | 02:50.

        Não existi usucapião de bem público.

        Responder

    • Singler disse em 01/10/2012 | 07:51.

      As moradias são ilegais, tambem acho que está errado, mais quem pode fazer alguma coisa sobre isso nao faz pelo simples fato de la possuir incontáveis votos. Tudo jogada politica. Nao estou dizendo isso porque é epoca de campanha nao. Estou dizendo porque é a realidade.

      Responder

    • Dr. Out Lawyer disse em 01/10/2012 | 08:47.

      Os morros são bens públicos, portanto nunca podem ser usucapidos. Por outro lado, não estão querendo tirar o povão de lá para (este é o sonho do Flavio L Amenza) replantar a floresta. Querem expulsar os pobres porque os ricos querem construir mansões ou ganhar dindin.

      Responder

      • JT disse em 02/10/2012 | 10:08.

        Os bens públicos podem, porém, serem desapropriados. Justamente com o intuito da regularização das favelas, foi instituído o §4º do artigo 1228 do CC. Vale ressaltar que apesar de depender de indenização, por se tratar de desapropriação, esta pode ser adimplida pelo poder público, caso comprove-se a baixa renda do citado “considerável número de pessoas”.

        Responder

    • Xavier disse em 02/10/2012 | 01:40.

      Segundo a cota 100 — parte da legislação ambiental do Rio — é proibida qualquer tipo de construção nos flancos dos morros acima dos 100 metros de altitude em relação ao nível do mar

      Responder

    • DSmith disse em 02/10/2012 | 10:44.

      Favelado não paga água, luz, IPTU… Se eu morasse de graça assim também criaria o maior caso pra sair…

      Responder

    • Daniel disse em 02/10/2012 | 03:43.

      Marcelo, meu querido, não existe posse posse ad usucapionem em area ilegal, muito menos em face de Entes Federativos, somente a Ad interdicta, que permite ao possuidor defender sua posse contra pessoa físico ou jurídica.
      Se a União Federal, Estado ou Município desejar desapropriar alguém, meu conselho é: arrume suas malas.

      Responder

    • guga disse em 02/10/2012 | 11:37.

      é você está certo, mas para isso eles deveriam ter feito o pedido legalmente pela justiça!
      E falando em trabalho, qual a porcentagem total da população dessas zonas que possuem um emprego?

      Responder

    • Gg disse em 03/10/2012 | 02:53.

      existe*

      Responder

    • Daniel disse em 14/10/2012 | 08:51.

      Dominados e Dominadores: Foi, é e sempre será assim.. em qualquer sociedade do mundo conhecido.

      Responder

  • but what that hell disse em 01/10/2012 | 06:26.

    aiai sera que chove?

    Responder

  • Anonymous disse em 01/10/2012 | 06:46.

    numa boa, finalmente estão fazendo alguma coisa pra melhorar essa merda. tem que despejar mesmo. são invasões ilegais.

    Responder

  • rodrigo disse em 01/10/2012 | 06:53.

    Flavorios,
    Gostei do documentário, todavia seu raciocínio está equivocado, com todo respeito, em alguns pontos
    O documentário reflete o abuso do direito do estado na forma de desapropriação. Existe um processo para isso, incluindo indenizações conforme o valor de mercado do imóvel. Caso houvesse o processo e o estado indenizasse as famílias não haveria esse problema.
    A sua lógica quando utiliza “… provavelmente, teria um imóvel ilegal…” é equivocada existe o usucapião.
    Quando usa a expressão “…sem nenhuma autorização…” está certo. De fato a maioria não tem autorização. porém o estado indiretamente aceita, pois existe iluminação publica, rede de esgoto, água encanada entre outros serviços que geram, inclusive, pagamento de impostos como o IPTU. Isto responde a expressão “… sem pagar absolutamente nada …” eles pagam.
    Por fim, sou a favor que haja o desenvolvimento que você defende, porém não concordo com a forma que sustenta, pois é ilegal, logo arbitrária

    abração

    Responder

    • disse em 01/10/2012 | 09:39.

      NÃO EXISTE USUCAPIÃO DE BEM PÚBLICO!

      Responder

      • rodrigo disse em 01/10/2012 | 10:45.

        Sei que não existe usucapião de bem público, porém em nenhum momento o documentário trouxe esse dado. Até porque no vídeo demonstrou que umas das favelas tinha sua situação regularizada e por isso o processo de desapropriação estava sendo mais difícil. Observa-se que o documentário reporta sobre especulação imobiliária, ou seja pretendem construir imóveis de luxo nesse local. E essa é a questão. NÃO TEM NADA DE BEM PÚBLICO o que se discute é o interesse publico dessa desapropriação, que utiliza a copa para beneficiar as empresas financiadoras de partidos políticos.

        Responder

    • @car_alves disse em 02/10/2012 | 10:04.

      Nao ha cobrança de IPTU em areas de risco. As vezes mesmo em ruas ao redor das favelas existe a isençao.

      Responder

      • Rodrigo disse em 02/10/2012 | 10:43.

        Não existe relação de cobrança de IPTU com área de risco, a isenção é por outros motivo. Lembra que isenção é liberalidade do governo não é garantia, assim pode revogar a isenção
        Segue a informação do site da prefeitura do rio de janeiro:

        Não há, na legislação, isenção em imóveis localizados em áreas consideradas de risco. Os moradores devem ser isentos por outro motivo. Possivelmente, por serem imóveis considerados unidades autônomas populares, ou seja, de utilização residencial, área até 100 m2 e valor venal até R$ 38.748,00. Os carnês cujo valor total da cobrança (IPTU +TCL) não exceda a R$ 58,00 estão isentos do pagamento.

        http://www.rio.rj.gov.br/web/smf/exibeconteudo?article-id=143155

        Responder

    • Eros disse em 02/10/2012 | 05:14.

      Gostei desse cara.

      Responder

    • naty disse em 04/10/2012 | 10:40.

      queria um botao de p/ curtir o commts do Rodrigo !

      Responder

  • Marina disse em 01/10/2012 | 06:55.

    É uma situação muito complicada mesmo, vai muito além de certo e errado.
    Com certeza vão surgir muitos aqui defendendo diferentes posições. Uns educadamente outros nem tanto.
    O fato é: a complexidade do assunto carece de muito mais do que uma pagina de posts para ser discutida.
    Dito isso, vamos assistir o circo pegar fogo aqui na pagina!!

    Responder

    • Marilis disse em 02/10/2012 | 11:16.

      Foi o comentário mais sensato que li.

      Responder

  • Rogerio disse em 01/10/2012 | 06:55.

    Meu querido Flávio Lameza, é lógico que eles entendem que invadiram as encostas dos morros, mas o povo só invade porque não tem dinheiro para comprar um terreno legalizado, é simples assim. Garanto que no seu prédio tem várias empregadas e porteiros que moram em favelas. Ou você acha que com o salário que os playboys pagam para seus empregados dá para comprar um terreno legalizado?

    Responder

    • Xavier disse em 01/10/2012 | 11:24.

      eu não tenho dinheiro para comprar imóvel na zona sul por isso vivo de aluguel em um local + barato….isso não é desculpa, é comodismo, fato.(não é por acado q trabalho a 35km da minha casa)

      Se o estado do RJ (dentro do Grande Rio) tivesse um tranporte de massa que prestasse (+ trens e metro e não esse BRT) não ia fazer tanta diferença morar perto do ventro do Rio

      Responder

    • Lidio disse em 01/10/2012 | 11:40.

      Senhor Rogério, com certeza a pessoa da rua que vem pegar seu dinheiro, ou aquele rapaz que entra no ônibus para pegar o dinheiro, entra em estabelecimentos públicos para também não tem dinheiro e não tem estudo ou oportunidade para ganhar dinheiro, então como não tem, é claro que eles vão pegar o dinheiro desses playboys que tem dinheiro de sobra, esses preibóis tem dinheiro de sobra, os salários são sempre bons e os empregos caíram do céu!
      Com certeza há muitas pessoas que teve a vida fácil, mas são poucas! esses que você chama de playboys, (antigamente, playboy era aquela pessoa que ganhava tudo de mãos dadas), ralaram, estudaram, se esforçaram para conseguir um salário digno para poder pagar uma diarista, já que como quase toda a família trabalha conseguir viver sem preocupações, não tem tempo pra fazer o que a diarista faz, NUNCA desmereça o trabalho que uma pessoa teve para comprar uma casa! é mais fácil chamar de playboy um trabalhador honesto que por causa de seus esforços, do que admitir que não conseguiu um trabalho para se auto-sustentar!
      Não diga que é falta de oportunidade, ou estudo, oportunidade não cai do céu, e Abraham Lincon não teve estudo quando criança, mas foi atrás de conhecimento se esforçou e cursou como qualquer outro!
      Realmente o governo está errado, mas isso não fazem as pessoas que “roubaram” um cantinho desocupado com a idiota desculpa que não tem como ganhar dinheiro!

      Responder

    • smo disse em 02/10/2012 | 07:12.

      O morro da providência foi ocupado no início do século XX. Esta é, portanto, a quinta geração da favela. Não foram eles, mas seus tataravôs que ocuparam.

      Responder

      • Sem hipocrisia disse em 03/10/2012 | 01:06.

        Então, eles terão que pagar hoje por erros do passado. Assim é a vida. Nunca houve garantias em ocupações ilegais. Terão que sair, sim.

        Responder

  • FabioGross disse em 01/10/2012 | 06:55.

    Caro Marcelo, tudo bem são pessoas, tudo bem estão a mais de 40 anos no lugar, mas se eu, você e todo mundo honesto tem que ralar a vida inteira para construir sua própria casa, viver de aluguel as vezes por anos, porque estas tão faladas pessoas “honestas” tem mais direito sobre as terras do governo do que eu ou você ou o cara que trabalha 12 horas por dia para manter o aluguel e a contas em dia? Se estas pessoas fossem realmente honestas e bem intencionadas abririam mão de morar em cidade grande para conquistar seu espaço próprio com dignidade em alguma cidadezinha mais simples como todo bom brasileiro trabalhador.

    Responder

    • Guilherme disse em 01/10/2012 | 08:21.

      Concordo. Vejo os problemas que meus irmãos enfrentaram pra comprar seus lotes, a dificuldade financeira que passaram pra construir suas casas, e hj em dia podem dizer com muito orgulho que são propriedades DELES… tá, blza, se desapropriar transfere o problema pra outro local, é uma situação muito delicada… o que acho q poderia ser viabilizado é a possibilidade das pessoas das favelas, através da própria prefeitura, garantirem seus espaços (e, inclusive, melhorarem suas infra-estruturas) agindo em conjunto, contribuindo com sei lá, mão-de-obra para projetos de tratamentos de esgotos, trabalhos em postos de saúde ou escolas nos fins de semana, sei lá, algo que pudessem “compensar” e justificar o usufruto dos territórios invadidos… e em troca a prefeitura melhorasse as condições da comunidade…

      Responder

  • Alessandro disse em 01/10/2012 | 07:02.

    Isso se chama desapropriação. É um direito do estado quando considera que é para o bem comum da cidade. Mas, é claro, não pode ser feito às custas do prejuízo de quem tem sua casa tomada pelo governo.

    Responder

  • Edu disse em 01/10/2012 | 07:04.

    Bom, eu vi o video e venho dar minha opnião.

    Primeiramente, acho que o video tem 2 topicos, primeiro o atraso e o roubo por parte do governo e o segundo sobre a retirada das pessoas.
    Vamos aos fatos reais comecando pela segunda ideia, eles invadiram? Invadiram propriedade pública, não importando o tempo que passe e o que a lei diga, isso é roubo e no mínimo anti etico, mesmo com o argumento que são pessoas pobres o argumento continua inválido. Pergunta, as pessoas que moram nos locais, pagam algum tipo de impostos diretos?pagam todos, luz, água? Se a resposta que TODOS pagam, eu retiro meu argumento.Caso a resposta seja “não pagam”, eles não tem direito a reclamar. Antes que alguem venha me ameaçar,digo, eu acho injusto e anti etico expulsar alguem sem dar uma casa para elas imediatamente.

    Pela primeira observaçao minha do governo, sim, o governo desvia, rouba a população, e ao meu ver isso deveria ser punido com uma sentença de prisão perpétua.Lembrando a todos, o maior roubo que se faz no Brasil hoje e tirar o dinheiro ou não investir em educação realmente , pois pelo o que observo na cidade e o discurso que escuto é que colocou as criancas no esporte, sendo que a maioria não tem futuro. Brasil assim, continuara ser pobre, com a população ignorante e burra

    Responder

  • Sery Volk disse em 01/10/2012 | 07:12.

    Pô, Flávio, muito manipulativo esse documentário! Por exemplo: depoimento de um ricaço dizendo que as UPPs vão melhorar a vida do carioca, então corta para uma cena de tiroteio numa UPP…
    Caramba! Então, sem a UPP não tinha tiroteio? Não tinha lei da mordaça e toque de recolher imposto pelo Tráfico?

    Sobre essas ocupações ilegais, é triste ver que ocorrem em quase todos os grandes centros. Floripa, por exemplo, está ficando bem parecida com o Rio. O IBAMA, a FATMA e até a mãe do Badanha embargam qualquer tentativa de obra do Governo sobe o pretexto de preservar mangue, encosta, o ciclo reprodutivo do caracol e o escambaú. Mandaram um estaleiro do Eike Batista embora porque poderia colocar em risco a natação dos golfinhos no entorno da Ilha! Era só um investimento bilionário que riia gerar milhares de empregos, mas enfim, quem precisa gerar emprego quando se espera que o Governo dê todo o tipo de Bolsa-Favelado?

    Enquanto isso, os morros vão ficando cada dia mais sem o verde do mato, que está sendo substituído por barracos.

    Claro, depois os barracos caem com a enxurrada e a culpa é do Governo.
    Depois, toda fiação de luz clandestina dá curto e a coisa queima. E a culpa é de “sinistros agentes incendiários”.
    Depois, o tráfico toma conta e impõe uma ditadura à margem da sociedade e a culpa é do Estado que perdeu o território. E também é do Estado se por acaso tentar retomar o território!

    Responder

    • MHGold disse em 02/10/2012 | 03:22.

      E polêmica!!! Amo muito tudo isso… rsrs

      Concordo. O doc. tem boas intensões por um lado (desvio de verbas da copa), mas falha em alguns momentos ao:

      Associar a violência às UPPs – oras, só pode ter sido familiar de traficante que ficava se exibindo na favela com seus fuzis e pistolas que acha melhor voltar ao tempo do domínio total do tráfico (o tráfico continua, só está menos arrogante).

      Associar as UPPs em defesa dos ricos – mostraram um mapa das UPPs, mas não falaram que tem UPP no Batan(Realengo), Complexo, etc… focaram nas UPPs que ficam no porto (Centro principal do RJ) e Zona Sul (área turística do RJ e uma forte fonte de renda)… o que querem? É um começo e que não pode parar! E tem projetos para o avanço das UPPs.

      Valorizar o errado – Se o terreno é invadido por anos e o morador não conseguiu legalizá-lo, logo ele é ilegal. Veja que a vila do autódromo conseguiu legalização e por isso não foram desapropriados. Estes devem receber indenizações a altura dos imóveis e lugar onde habitam, assim como receberam os moradores por onde a BRT está passando.

      Os moradores foram previamente avisados – É falso dizer que não! Eles muitas vezes recusam as habitações oferecidas pelo governo em lugares mais distantes. O governo muitas vezes (nem sempre) cumpre com o direito a moradia (e mtas vezes gratuita, embora o terreno seja invadido), é só o morador da favela que não aceita. Ou mais, aceitam, VENDEM a casa cedida pelo governo e continuam na favela (fato que acontece muito).

      Tem mais pra falar, mas já ta bom isso aqui.

      Responder

  • Jullio disse em 01/10/2012 | 07:14.

    Acabei escrevendo algumas coisas, depois apaguei tudo, nao vamos criar intrigas, cada um tem seu ponto de vista e pode acabar ferindo a moral de alguem ficar comentando e falando de política pela internet

    Responder

  • Saburo disse em 01/10/2012 | 07:26.

    Esse assunto é complexo. Tem muito “favelado” magnata dono de vários imóveis nas comunidades.

    Responder

    • Hobsbawn disse em 02/10/2012 | 05:52.

      Disse muito. Já leu O Cortiço? Pois é, não mudou muita coisa desde então.

      Responder

  • Monica Sampaio disse em 01/10/2012 | 07:43.

    Cade o povo “da internet” que coloca nos TTs a briga do Latino, mas não clica em um link para ver a merda que estão fazendo com o País?

    Responder

  • Iuri Garcia disse em 01/10/2012 | 07:52.

    O que mais me deixa puto com toda essa história é que, as pessoas reclamam, se organizam para criar uma associação de moradores, descobrem as reais intenções das obras e quem as financia, travam uma luta contra os policiais que estão cumprindo o seu dever… Mas quando tem a única oportunidade de mudar a situação e evitar que essas merdas aconteçam, que é através do voto, elas votam sempre nos mesmos partidos e candidatos. Cada população tem o governo que merece!

    Responder

    • Ian disse em 02/10/2012 | 10:58.

      Iuri, esse é o argumento mais falho que se pode ter se tratando de política. Quando algo dá errado creditamos ao político e àqueles que o elegeram, como se fosse bem feito tudo aquilo que está acontecendo. Assim que um político é eleito ele passa a representar toda a sua população, e seus erros e acertos durante a gestão vão refletir diretamente na sua qualidade de vida e no seu próprio dia-a-dia. Após as eleições deveria acabar o embate de candidatos e partidos e começar a era de cobranças e atenção as ações políticas em prol do bem público maior.

      Responder

      • Iuri Garcia disse em 03/10/2012 | 04:14.

        Ao contrário meu caro Ian. Justamente pelo fato do candidato e/ou partido terem “errado” durante a sua admnistração que os eleitores deveriam ter o mínimo de bom senso no seu próximo voto excluindo estes partidos e candidatos de suas opções de escolha. Mas isto não acontece, eles os elegem de novo, acreditando nas mesmas promessas de campanhas passadas. E não é válido o argumento de que a população não tem consciência política ou é ignorante, pois se elas são capazes de se organizar em associações, de entender o verdadeiro obejtivo de certas ações, como descrito no vídeo, elas têm a real idéia do que o candidato é capaz, concluindo-se que o voto no mesmo é consciente. Sendo assim, deduz-se que os mesmo não querem mudanças na qual tenha benefícios para a população em geral, mas sim querendo de algum modo tirar vantagem para si. Enquanto continuar neste ciclo vicioso o Brasil não vai para frente, o que reforça o meu comentário anterior.

        Responder

  • Thaisa disse em 01/10/2012 | 08:06.

    Flávio, acho que você deveria pensar melhor antes de escrever. As ocupações que geraram as favelas ocorreram por falta de assistência do governo à classe operária e por um processo de urbanização desigual. É muito fácil pra nossa sociedade culpar quem “invadiu” essas terras. Mas como os grandes industriais capitalistas conseguiram terras no início do país? Por meio de ocupação irregular… alguém pagou aos índios pela terra deles que ocuparam?
    É sim uma questão complexa, pois acaba existindo um processo de especulação imobiliária dentro das favelas. Mas de forma alguma eles precisam ter consciência de sua ilegalidade. Pois a única diferença entre os favelados e vc é a infraestrutura que chega na sua casa. Pois a terra que vc vive foi um dia ocupada e depois regularizada.

    Responder

    • Schwarz disse em 27/12/2012 | 03:22.

      Filhota, a República não começou com os índios…

      Responder

  • Adriano disse em 01/10/2012 | 08:18.

    Acontece que quem mora em favela não quer sair da favela, conheço gente com renda mensal de quase R$ 20.000,00, que continua morando na favela porque não paga conta nenhuma. o problema foi que o governo para ganhar voto deixou as favelas crescerem, sempre tratando o povo como coitadinho e a cada eleição que passa vão prometendo mais auxílio.
    Se veio atrás de trabalho e não tem onde morar, alugue uma casa, se não tem condição volta da onde veio, era isso que o governo tinha que ter feito a muitos anos atrás, agora tem que indenizar um monte de ocupação ilegal.
    Só para completar, usucapião não se aplica em terreno público.

    Responder

  • Stanislaw disse em 01/10/2012 | 08:31.

    Embora hajam as mais diversas opiniões aqui, todas fluem para um ponto em comum. De que parte dessa situação é culpa de um desgoverno mais que quadragenário, desgoverno proposital ou não, onde acrescento a minha opinião, não há solução pelos próximos 40 anos e talvez nunca tenha.

    Responder

  • RamisterOtemível disse em 01/10/2012 | 08:33.

    No Brasil, há universos paralelos no mesmo espaço/tempo:

    Formalidade & Informalidade;
    Desenvolvimento & Atraso
    Riqueza & Miséria
    Estado e Abandono
    etc… eee… a esperança de se tornar um país desenvolvido.

    Agora uma analogia bizarra:

    Mac OS & Windows – Sendo o MAC OS um sistema bem desenvolvido o Windows foi, é, e sempre será uma tentativa. Nunca se tornara um sistema completamente bem desenvolvido. Isso porque ele já começou mal desenvolvido e desde então, suas atualizações são remendos, recortes que buscam tapar os buracos de seu mal desenvolvimento original/inicial.

    Ainda o MAC OS passou depois de certo tempo por uma mudança/reforma a partir do zero, ou seja, uma mudança radical, uma nova linguagem, foi passado a borracha no sistema antigo e criado um novo, ainda melhor.

    O windows nunca passou por isso, permanece como sempre, escorado nas bases defeituosas disfarçadas.

    Analogia bizarra, mas assim é o Brasil, e assim sempre será.

    A solução encontrada pelos dirigentes do país é os remendos, o tapa buraco, a política do ” Bate e Assopra ” e assim manter uma relativa paz social. Porque se bater muito o povo se rebela, se só assoprar eles perdem o controle. Afinal não estão lidando com Zeros e Uns e sim com pessoas.

    E assim, no pais de ordem e progresso cada um se vira como pode em meio ao caos do atraso.

    Responder

    • RamisterOtemível disse em 01/10/2012 | 08:50.

      Ainda, qualquer pessoa que não seja, ou um sociólogo, ou um jurista, ou um filósofo, ou um economista, ambos de alto gabarito, da alta cupula, deve limitar-se a comentar os fatos, ironizalos a vontade e com parcimônia emitir uma ou outra opnião de vez em quando. Mas nunca, NUNCA fazer como salafrários esquerdistas tais como Lula e CIA e propor panacéias.

      Para tal, ou se é capacitado, ou não passa de um batedor de panela falastrão.

      Responder

    • Lasher/Zarastruta disse em 02/10/2012 | 03:57.

      Que pena que na sua analogia, voce nunca esteve tao longe da realidade. Sua percepcao, Windows/Mac e’ completamente infundada. Mac OS e’ uma forma de Unix e mantem um conjunto de compatibilidades que vai ate’ os anos 80. Mac OS e’ mais remendo e menos mudanca que o Windows. Esta compabilidade do Windows e’ basicamente alcancada com virtualizacao de software. Normalmente as criacoes da Microsoft sao licenciadas para Apple em maior quantidade que na direcao contraria. O mercado do Mac OS e’ quase inexistente e nem se qualifica para uso corporativo.

      Responder

      • RamisterOtemível disse em 02/10/2012 | 12:35.

        ” O lançamento do Mac OS X foi um marco para o sistema operacional. Na sua décima versão, o sistema foi remodelado como um todo, inclusive o núcleo que passou a ser baseado no do Unix BSD. ”

        ” Assim, o OS X, lançado inicialmente pela Apple Computer em 2001, é uma combinação do Darwin (um núcleo derivado do micronúcleo Mach) com uma renovada GUI chamada Aqua. As primeiras versões do Mach (não-micronúcleo) foram derivadas do BSD. ”

        ” O OS X apresenta uma grande mudança em relação aos sistemas operacionais anteriores do Macintosh e o código que é a base do sistema é completamente diferente do de versões anteriores.”

        Ademais dizer que “nem se qualifica para uso corporativo” é bizarro, você é auditor?

        Responder

      • Lasher/Zarastruta disse em 02/10/2012 | 11:56.

        Mac OS. Somente mais um wrapper do Unix como voce mesmo disse. Kernel ainda o mesmo.

        Responder

  • Robson disse em 01/10/2012 | 08:34.

    Eu não li nenhum comentário, estou apenas postando o meu pois estou sempre no Rio antes e depois das UPPs. Eu acredito que a ideia da UPP de atender as áreas turísticas tendenciosas. Porem o Rio de Janeiro iniciou um projeto que nunca foi feito no Brasil, tirar do domínio de bandidos áreas que o poder público não podiam entrar. Simplesmente as pessoas eram roubadas, sequestradas e rapidamente o bandido corrida para seu reduto que ali estava seguro. Isso está acabando. Documentário totalmente tendencioso. Gostaria muito que o Freixo voltasse a trabalhar pelo Rio como trabalhou com a CPI da Milicia, e não ficasse colocando minhoca na cabeça da população. Eu amo o Rio de Janeiro e tenho muito orgulho disso. OBS: Não estamos falando de Cabral, Garotinho e muito menos de Brizola, estamos falando da UPP e de seu benefício para o Rio de Janeiro

    Responder

  • William César disse em 01/10/2012 | 08:38.

    Vídeo com pontos positivos e negativos, mas como já disseram, manipulativo.
    Outro ponto importante em referancia ao vídeo, ele expoe um problema, mas nao acusa uma solução.

    O problema urbanistico se faz presente na maioria das capitais, não é por ser no rio e ter uma linda vista, que o problema é agravado.

    O problema é que é tudo negócio, e não só de peixe grande, mas também do favelado, ele vende sua casa, procura outra comprando de outro favelado, e vende denovo, quem tem visão cresce.

    Tudo é problema, porque lhe convém, como alguém comentou, se o governo instala polícia, se poe asfalto, se poe uma quadra de esporte, se poe escola, fica ruim pra alguem, que poe, ou paga, outros para colocarem defeitos.

    Trabalho como engenheiro em Brasília, e já fui ameaçado em favela, por estar trabalhando colocando asfalto, agua e esgoto, pois para o favelado, ou alguem que pagava (traficante) o favelado não era pra mobilidade, nem pra saneamento, era pra melhorar a entrada da polícia.

    Os governantes, empreiteiros, empresas, roubam sim, e cabe a nós ficarmos de olho e cobrarmos que melhore, mas muitos roubos vem de dentro da favela, é pobre roubando pobre, pobre manipulando pobre, e isso vídeo nenhum vai mostrar.

    O mundo é de quem paga mais, sempre foi e sempre vai ser, só que todo mundo olha muito acima, as vezes quem tá pagando mais é seu vizinho, e usando você, ou seu filho pra protestar.

    Responder

  • Bel disse em 01/10/2012 | 08:39.

    Só alguns dados importantes para a discussão. Será que esse pessoal da favela é tão coitadinho e pobrezinho? Segundo dados do governo a grande maioria dos moradores desses lugares possuem renda de classe média a classe média alta.
    Agora uma questão de constatação. Eu, pago meus impostos, tenho tudo dentro das leis. Não faço churrasco todo fim de semana, não tenho carro e não ligo o ar condicionado todo dia pra economizar na luz. A minha faxineira, mora na favela, tem um carro zero, só dorme de ar ligado e todo fim de semana tem churrasco em casa. A televisão é HD 50 polegadas. Não que eu seja contra ela ter tudo isso. Mas eu que pago, luz, água, telefone, aluguel, imposto. não tenho tudo isso. Vivo uma vida bem apertada.

    Responder

  • Bel disse em 01/10/2012 | 08:49.

    Ah! Outra questão sobre a desapropriações. Em nenhuma hipótese o governo deixará de indenizar os desapropriados, o que ocorre é que sempre a gente quer mais do que o imóvel realmente vale e o governo quer pagar menos do que ele realmente vale.

    Saindo da discussão acho que o maior problema da população do Rio é a falta de educação. Nunca vi população tão porca e mal educada. As ruas são IMUNDAS, as pessoas tem o péssimo hábito de cuspir no chão, jogar lixo no chão, deixar seu lixo em qualquer lugar. Sinceramente não vejo como o RJ ser melhor com uma população assim.

    Responder

  • Valéria Gimenez disse em 01/10/2012 | 08:49.

    Não vi o documentário. Vi um outro sobre essas desapropriações, como vem sendo feitas. O que é certo, no sentido de garantido, é que essas pessoas serão retiradas. São comunidades que nasceram em áreas privilegiadas e caras. Ou que estão destinadas a se tornar caras, caso da área da praça Mauá e redondezas. Segundo a entrevista com o dono do Rio ao Le Monde, Eike Batista, que inclusive patrocina as UPPs, o Rio, daqui a 10 anos, será uma mistura de Los Angeles e Nova York. Rio de Janeiro será um resort de luxo, e luxo e pobreza só se misturam no carnaval. O ideal seria que essas desapropriações fossem feitas de forma respeitosa, que essas pessoas tivessem escolha. Infelizmente, o real anda muito distante do ideal. O custo desse progresso será pago pelos sem recursos.

    Responder

  • Bel disse em 01/10/2012 | 08:57.

    Um dado que saiu hoje, para alguns que tem o pensamento voltado para a inferiorização do morador de comunidade: segundo pesquisa realizada este ano a grande maioria pertence a classe média, classe média alta. Eles compram seus carro zero, tem lazer no fim de semana, gastam muito nos shoppings e restaurantes, e seus filhos cursam uma universidade ou eles mesmos cursam. Porém eles continuam se enxergando como miseráveis( e detentores do direito de ter um imóvel ilegal, não pagar água, luz…) só porque seu logradouro é na favela.

    Responder

    • Carla disse em 01/10/2012 | 11:00.

      Bel, que pesquisa é essa? Passa o nome / link?

      Responder

    • Tato disse em 02/10/2012 | 02:48.

      So lembrando:
      “…classe média famílias “com baixa probabilidade de passarem a ser pobres no futuro próximo com renda per capita entre R$ 291 e R$ 1.019 por mês.” Ou seja, se vc ganha um salario minimo vc é considerado classe media se mais alguém na sua familia tambem ganhe um salario minimo você é considerado classe alta.

      Responder

  • Stênio Marcus disse em 01/10/2012 | 09:15.

    Oi pessoal. Gosto muito de ver esse tipo de produção midiática gerando a troca de idéias. Sou um defensor da política participativa, que vai muito além da política representativa em que a população em geral se atém como unica forma de se fazer política. A representatividade partidária pela qual elegemos desde os vereadores ao presidente da república carrega consigo toda uma carga de variáveis que fogem do nosso controle. Por isso é preciso estarmos mais próximos da política para que possamos entender e controlar melhor essas variáveis.

    Na nossa constituição está previsto o CONTROLE SOCIAL, alguém conhece isso? Bom, esse controle quer dizer que em toda política, seja de saúde, de educação, de moradia, etc, deve haver a participação da população na:

    1 – ELABORAÇÂO

    2 – AVALIAÇÃO

    3 – FISCALIZAÇÃO

    Mas como isso acontece? Acontece em espaços já elaborados para isso, que são os Conselhos Municipais, Estaduais e Nacionais. Um exemplo disso são os Conselhos Municipais de Saúde. Falo sobre eles pois tenho uma vivência nessa área devido a minha profissão. Nesse espaço há representação paritária entre população e Estado, isso quer dizer que ele é composto por 50% de usuários do SUS e 50% de profissionais do SUS, prestadores de serviço e Governo. Ali é decidida a política municipal de saúde através da elaboração do plano de saúde que prevê o que o sistema municipal de saúde deverá desenvolver e o quanto isso irá custar. O Conselho é o lugar onde o embate político deve ocorrer, pois é ali que as divergências devem se dar, pois política é isso: é o embate de ideias divergentes.

    O que quero dizer é que qualquer discussão deve se dar no lugar certo, onde tal debate conduzirá processos de decisão que levarão a algum resultado palpável. A internet deve viabilizar o debate, deve iniciá-lo, incitá-lo, mas para que essa semente dê frutos é preciso levar esse debate ao lugar onde ele será aproveitado.

    Por isso, quem for do Rio e estiver realmente interessado em compreender a política de habitação participe das reuniões do Conselho Municipal de Política Urbana, e quem sabe a partir daí possa divulgar informações mais fundamentadas sobre o que está acontecendo para que nós aqui do mundo virtual possamos acompanhar e entender melhor esse processo de rearranjo habitacional que está ocorrendo.

    Para conhecer o Conselho entre no site: http://www2.rio.rj.gov.br/smu/compur/compur.html

    Responder

  • MOLINA disse em 01/10/2012 | 09:35.

    De fato este tipo de produção gera polêmica em função dos envolvidos e dos defensores, ricos defendendo pobres, a situação inversa seria menos comovente. A parte prática da questão é que pessoas precisam de um lugar pra morar e devem ter acesso a ele. A parte demagógica é o local onde devam habitar. Não se pode remover as pessoas como jarros de janela de sua morada tradicional mas também não se pode deixa-las habitar onde bem quiserem sobre o pretexto de miséria. Por fim, a parte humana é aquela que se responsabiliza por deixar as pessoas viverem num lugar melhor do que aquele que se encontraram. Concorco dom o Lamenza

    Responder

  • mula disse em 01/10/2012 | 09:40.

    os radicais nao mudam né.. façam propagandas ensinando a votar, a nao reeleger e a nao votar em fulano, cicrano e beltrano.. de nomes!!

    e outra coisa, tem que melhorar o local sim.. urbanizar decentemente!! ah, podiam usar uma parte desse dinheiro para colocar telhado nas casas(pelo menos aonde os avioes passam).

    Responder

  • Alex disse em 01/10/2012 | 09:41.

    As leis brasileiras distinguem propriedade de posse.Se o cidadão ou o estado tiverem a propriedade(escritura por exemplo),mas demonstrarem mau uso(não utilizar pode enquadrar-se em mau uso),estes podem perder facilmente a posse….
    Aí,o choro é livre e os processos também…
    DURA LEX SED LEX (A lei é dura mas é a lei)….

    Responder

  • Thiago disse em 01/10/2012 | 10:05.

    Viver em Sociedade, é ter direito e deveres. Muitas vezes as pessoas só enxergam aquilo que convém.
    Todo cidadão de fato tem direito a moradia digna, saneamento básico, educação e saúde, e se for para um bem maior da cidade, como me parece, essas pessoas devem ser remanejadas para um lugar com melhores condições e o governo deve garantir que os direitos e os deveres de cada um de (nós) seja cumprido.

    Responder

  • Ellen disse em 01/10/2012 | 10:07.

    EU SOU ABSOLUTAMENTE CONTRA OS SEUS COMENTÁRIOS NESTE POST.

    Responder

    • Hobsbawn disse em 02/10/2012 | 06:16.

      Eu sou inteiramente contra gente que não sabe a diferença entre maiúsculas e minúsculas.

      Responder

      • Rodrigo disse em 02/10/2012 | 02:17.

        HAHAHAHAAH boa essa!

        Responder

      • Ellen disse em 04/10/2012 | 04:04.

        Eu lamento a sua falta de argumentos. (:

        Responder

    • Ellen disse em 04/10/2012 | 04:08.

      E presumo que essa seja a coisa mais relevante que você encontrou por aqui pra comentar… Diferença entre maiúsculas e minúsculas! Um brinde à você que conhece esse grande mistério da língua portuguesa!!!

      Responder

      • CJ disse em 15/10/2012 | 01:28.

        E eu sou inteiramente contra gente que acha saber algo da língua portuguesa e coloca crase onde não têm, apenas para se parecer mais inteligente do que não é.
        Explico: “Você” não é uma palavra que tem um artigo definido feminino (“a”). Nem é uma palavra que varia entre masculino e feminino (*o você e *a você). Sendo assim, aquele “a” é só uma preposição. E uma preposição sozinha não faz crase.
        Ou seja, são duas coisas relevantes. Na boa, vai lavar roupa. Saúde!!!

        Responder

  • Allan Belanga disse em 01/10/2012 | 10:18.

    Flavio, nasci e cresci na Favela da Vila Kennedy, um bairro que foi criado na década de 60, pelo Governador Carlso Lacerda, onde recebeu ,oradores vindos da Favela do Esqueleto no Maracanã (Local onde hoje é a UERJ), da favela do pasmado que é o morro que divide o Bairro de Botafogo (Entre o mourisco e o Rio Sul).
    Vila Kennedy faz parte de Bangu, foi construída numa antiga fazenda de laranja, longe do centro da cidade, sem emprego para o povo que se desenvolveu internamente com comércios locais, distante do Centro da Cidade e até hoje com um transporte precário.
    Hoje moro em Jacarepaguá, graças a Deus um bairro “tranquilo”, estava cansado da violência do bairro que eu nasci.
    Existe todo um contexto histórico para ocupação de encostas, morros, desde o século XIX, após a abolição dos Escravos.
    Essas pessoas construiram nessas áreas, degradaram a natureza pela falta de dinheiro e oportunidades.
    Se você “burgês ou Playboy”, constrói num área de proteção ambiental, é por que quer, e não por falta de dinheiro.
    A área da Vila Autodromo hoje é uma área muito comentada, mas é uma área que já foi ocupada a muitos anos, numa região que não era valorizada como hoje e esquecida. Ali, o que hoje é considerado Barra da Tijuca, já se chamou Curicica. A Especulação Imobiliária transformou aquilo em Barra.
    Aliás a Barra da Tijuca é o maior exemplo onde o poder dos Ricos destruiu o meio Ambiente, construções sem Estações de tratamento que poluíram ainda mais as Lagoas de Jacarepaguá, construções próximas as margens da Lagoa, como a Península, como os Condomínios Mandala, Barrasul. Para esses detalhes ficamos cegos. Por quê? Eles são “Ricos”? Eles podem?!
    Não sou a favor de retirarem as pessoas de onde moram para jogalas nos quintos dos infernos, longe de tudo sem nenhuma estrutura. Se querem tirar os Moradores da Vila Autódromo que paguem um valor justo pra isso, mesmo porque, morar no Rio de Janeiro hoje é algo absurdamente caro.

    Responder

  • Uallace Cazé disse em 01/10/2012 | 10:23.

    É difícil tomar uma posição quando os dois lados da moeda estão errados, porém o governo antes de desapropriar deveria realocar as famílias, as UPP’s deveriam se estender por toda a cidade e por todo o estado, é mais do que óbvio que essas obras da copa são só para desvira verba pública, eu assim como um dos moradores disse no vídeo eu sinto vergonha de ser brasileiro!

    Responder

  • a disse em 01/10/2012 | 10:46.

    Flávio, talvez seja válido adquirir algum conhecimento sobre sociologia urbana antes de expor suas ideias de maneira tão restrita. Existem muitos livros, mas você pode começar pelo Direito à Cidade, do Henri Lefebvre. Isso talvez lhe ajude a expandir sua visão limitada sobre a situação urbana de um modo geral. Abs.

    Responder

    • Sery Volk disse em 02/10/2012 | 09:00.

      Flávio, você tem alguma dúvida de que te indicaram uma leitura marxista e ultrapassada?

      Esses supostos intelectuais de esquerda SEMPRE adotam a mesma técnica: te chamam de burro e mal informado, ou seja, te OFENDEM, porque você não leu a mesma ideologia que eles foram obrigados a ler.

      Responder

      • a disse em 02/10/2012 | 03:08.

        Caro colega, eu não sou marxista. Se, em sua sabedoria, considera que todos que leem um livro de esquerda são marxistas, então meu caro, você tem um problema sério. Segundo, em nenhum momento ofendi o Flávio, apenas disse que a opinião dele foi limitada, devido à falta de conhecimento sobre o assunto (o que é perfeitamente normal). Acho que quando nos aventuramos em outras áreas, devemos tomar cuidado, ainda mais quando estamos falando para um público amplo.
        Agora, sobre o fato de você considerar o livro do Lefebvre ultrapassado apenas corrobora, ao meu ver, sua ignorância. Indiquei tal livro, não pela postura ideológica do autor, mas pelo fato do mesmo conseguir trabalhar temas relevantes sobre a gênese do processo industrial e suas consequencias para a organização de uma sociedade. Como disse, é apenas uma leitura inicial frente ao tema, mas que na minha opinião tem reflexo sobre alguns problemas que encontramos no Rio de Janeiro, principalmente no que se refere às favelas. Independente de ser de esquerda, ou de direita, a cidade, como diria Lefebvre, é um bem em si mesmo e todos, sem exceção, deveriam usufruí-la em seu mais alto grau. Um processo democrático e mais justo baseia-se nessa premissa, nada mais. Abs!

        Responder

      • Danilo disse em 03/10/2012 | 12:48.

        “apenas disse que a opinião dele foi limitada, devido à falta de conhecimento sobre o assunto (o que é perfeitamente normal)”

        Esse é o jeito marxista de dizer que uma pessoa é ignorante. É bem educado, mas ainda é uma ofensa. hehehe

        Responder

    • Rodrigo disse em 02/10/2012 | 03:57.

      “a”, você vai votar no Marcelo Freixo, né, seu trouxa? Eu concordo com o colega ali em cima, tipinhos como você já deram no saco. Essa pretensa “experiência teórica” que caras como você tem já se mostraram tão inúteis quanto os ladrões que roubam há séculos. Falam, falam, falam e, na prática, não fazem porra nenhuma. E quando entram lá no poder, como o Lula (fala sério, você teve um orgasmo quando ele subiu a rampa e achou que, AGORA SIM!, o Brasil ia pra frente, né?) tornam-se a mesma farinha do mesmo saco.

      Na boa, vai pro inferno. Você, sua ideologia e todos os seus amiguinhos marxistas. Babacão.

      Responder

      • Sery Volk disse em 02/10/2012 | 08:25.

        Poxa, Rodrigo, eu devo desculpas ao “a”. Imagine você que, por ele ter usado as palavras “restrita” e “limitada” para definir a visão do Flávio e por ele ter indicado a obra de um pensador francês que casualmente é contra o neoliberalismo e que usa como “case” de sucesso da sua utopia a COMUNA DE PARIS, eu acabei deduzindo que se tratava de um pequeno arrogante de esquerda.
        Foi só ao ler a resposta de “a”, NEGANDO tudo o que acabara de escrever, que percebi que se trata de um grande arrogante de esquerda.

        Faça-me o favor, “a”, TE ORIENTA! Não tem cabimento sugerir que o Flávio leia um livro de 150 páginas de um pensador francês que te agrada para que, assim, possa então o blogueiro escrever/propor um debate sobre a ocupação de morros no Rio! Não percebes o ridículo da tua proposta? Sugira então, como fez uma colega, que o Flávio (e demais interessados) visitem a página do Conselho Municipal de Habitação! E trate de ser menos arrogante, rapaz!

        Responder

  • Bruno Borges disse em 01/10/2012 | 11:20.

    A título de curiosidade: favela é o nome de má planta muito comum em um certo morro no agreste baiano, as invasões de morro no Rio de Janeiro têm esse nome pois em 1897 após a guerra de canudos, foi prometido aos soldados que combateram Antônio Conselheiro, terrenos na cidade do Rio de Janeiro, entretanto esses terrenos nunca foram entregues e os combatentes então se instalaram “provisioriamente” no Morro da Providência, ficando então conhecida essas moradias como favela, em “homenagem” ao morro original perto da cidade baiana.

    Responder

  • Guilherme disse em 01/10/2012 | 11:34.

    Vídeo extremamente enviesado, com a presença do maior oportunista que a seleção já viu, tanto na grande área quanto na câmara, lançado em momento tão oportunista quanto (época de eleições que todos são politizados, formados em direito e com amplo conhecimento em engenharia).

    Além disso tudo, fala de vários problemas complexos, atirando para todos os lados (criticaram até o teleférico do Alemão, cara…) a fim de angariar o maior número de “revoltados do sofá” possível.

    Por mais pertinente que seja a crítica, tudo isso tira boa parte da credibilidade que um vídeo desse diz ter.

    Já que eles estão pedindo colaboração, vai uma ideia pro próximo vídeo, que espero ser uma coisa mais informativa e menos manipulativa: O argumento a favor da Copa e das Olimpíadas é o legado deixado para o povo. Inquestionável. Mas, se a maior parte desse dinheiro sai do bolso do governo, ou seja, do próprio povo, por que precisamos de uma Copa do Mundo, de uma Olimpíada, para que esse “legado” seja de fato entregue? Não era só o Governo pegar a grana e fazer o “legado”? Gostaria de ver um vídeo desses, com NÚMEROS, mostrando a porcentagem de pessoas atingidas pelo “legado” dentro das regiões afetadas e a parcela de investimento privado na construção do tal “legado”, fator esse que justificaria a necessidade desses eventos. Mas lembrando, um vídeo com núúmeros, fatos, não só opiniões e imagens bacanas…

    Responder

    • Sery Volk disse em 02/10/2012 | 09:24.

      Vou imprimir esse comentário só para poder assinar embaixo!

      Responder

  • Teacher disse em 01/10/2012 | 11:59.

    As favelas surgiram diante da omissão do poder público. Quando a ocupação de um determinado território não é “interessante” para as autoridades, as providências são tomadas. Um exemplo foi o Morro do Castelo, no Centro, onde o poder público
    foi atuante, removeu os moradores e extinguiu o espaço utilizando a terra no Aterro do Flamengo.

    Atualmente com o projeto “Porto-Maravilha”, muitas famílias estão sendo indevidamente removidas de suas casas. Sou contra as favelas, pois a maioria das casas são construídas ilegalmente. No entanto, seria desumano concordar com a maneira na qual o poder público está retomando os espaços “favelados”.

    A Copa do Mundo e as Olimpíadas estão transformando a cidade do Rio no que os empresários chamam de “cidade-empresa”.

    Este vídeo, embora defenda a estabilização das favelas, também mostra o lado atuante do poder público na remoção “desajustada” das famílias desses locais. É preciso cautela e planejamento social para “desfazer” décadas de omissão em tão poucos meses…

    Responder

  • Bruno disse em 02/10/2012 | 12:19.

    Realmente favelas são invasões. Mas o grande problema é: o que fazer com aquelas pessoas?

    Fatos incontestáveis são:
    - Pelo menos mais de 80% dos moradores de favelas são comodistas, não fazem absolutamente nada para sair de onde estão, só querem benefícios por todo lado.
    - Escolas são públicas, inclusive universidades portanto é um erro enorme se fazer de coitado dizendo que não teve estudo.
    - É fácil dizer que precisa de ajuda, que o país não faz nada pela favela, etc. Mas agora pergunto: o que a favela faz para o país?
    - QUALQUER pessoa tem a capacidade de fazer o que quiser com a própria vida, só falta força de vontade.

    Para mim favelas são um mal para a nação e os moradores são vítimas do acaso. Realmente esta é uma questão muito difícil.
    E outra: se eu invadir um terreno público, será que passarão a mão na minha cabeça também?

    Responder

    • Carla disse em 03/10/2012 | 12:31.

      Curti demais inventar dados como se não houvesse amanhã! 80% dos Brunos fazem isso.

      Sempre é muito fácil falar. Não acredito em reencarnação mas adoraria que fosse uma realidade: assim você poderia nascer miserável em uma próxima vida e nós veríamos como se sairia.

      Uma leitura interessante: http://jezebel.uol.com.br/meninas-viram-escravas-de-casas-de-familia/

      A menina da reportagem tem 18 anos e está na sexta série, sonha em ser advogada e fica sem dormir para estudar. Gosto de pensar que todos nós teríamos a mesma força de vontade mas sejamos realistas…

      Responder

      • Sem hipocrisia disse em 03/10/2012 | 01:46.

        Bem, Carla… ao sugerir a leitura de tal matéria, você acabou dando um tiro no próprio pé. Ela mostra, sim, a exploração a que uma pessoa pobre tem que se submeter para subsistir. Mas mostra também que é possível ao menos tentar mudar tal situação. Ficar sem dormir para estudar? O que há de mais nisso? Eu trabalho desde os 12 anos, e já passei por essa situação inúmeras vezes. E outra: essa fase dura pouco e, se a dedicação não perecer, os frutos são colhidos em um período de tempo razoavelmente curto.
        O que acontece é que o comodismo fala mais alto; para quê se esforçar, buscar o conhecimento, se “matar” de estudar, se o Governo tem uma extensa gama de projetos assistenciais que dão dinheiro ao povo visando apenas o seu voto em eleições posteriores? Sei que o tema principal aqui é o Rio de Janeiro, mas no Nordeste há inúmeros “vagabundos” que não querem trabalhar pois têm suas famílias (e seus vícios!) sustentadas por “Bolsa-Esmola” e afins.
        Não deve haver favorecimento a ninguém, nem ao rico e nem ao pobre. Esse é o conceito máximo de democracia.

        Responder

      • Carla disse em 03/10/2012 | 08:43.

        Opa, “sem hipocrisia”, claro que essa fase durou pouco pra você. Mas caso você não tenha prestado atenção —> 18 anos e ainda na sexta série.
        Agora, se você sabe que existem situações como a da matéria em que crianças se submetem a um regime de trabalho semi-escravo para poderem estudar (em condições precárias) ouvindo o tempo todo da “patroa” que almejar algo maior na vida é bobagem e ainda assim acredita que quem não está financeiramente bem neste país é sempre porque NÃO QUER… Aí não temos o que discutir mesmo. Aliás, segundo o que você escreveu trabalho infantil é ok, não tenho nem por onde começar.

        Tem aquela frase famosa: se você não prestar atenção a mídia te faz amar o opressor e odiar o oprimido. Acho que é bem por aí, gostamos muito de culpar o povo por tudo que lhe acontece e isentar o estado de qualquer responsabilidade.

        Responder

  • Robson Felix disse em 02/10/2012 | 12:22.

    Galera, voltei aqui pra ler os comentários.. Melhor conversa sobre o assunto q já participei.. Tirando uns.. A turma ta de parabéns

    Responder

  • Ze da Silva disse em 02/10/2012 | 12:36.

    A única solução pro Rio é dar reset no sistema. Ou nukar o estado inteiro de volta pro período cretáceo.

    Responder

  • rildim romão disse em 02/10/2012 | 12:49.

    Diante da complexidade do tema, o que mais me deixa indignado são as cifras estrondosas e que um monte de fdp rouba aos montes, e neguinho reclamando de como deveria ser abordado esse tema além do filme ser bem feito, ele é coerente e documental eu não vi só imagens belas vi também o drama seres de muitas pessoas que estão ali pela maneira com que o país vem sendo conduzidos durante séculos…enquanto que essas empreiteiras e os políticos exploram as mesmas…pra mim é o país que tem que para e não o contrário…

    Responder

  • Otto disse em 02/10/2012 | 01:59.

    Acho um pouco controverso dizer que houve uma invasão e que agora não têm direito. Se a posse foi pacífica e o Estado não fez por onde criar habitação para este povo, já tem todos o direito de usucarpir.
    O Estado deveria criar construções – como edificios de moradias em bloco e ao redor criar o comércio para cada favela existente no Rio e em outra parte por este Brazil afora.
    O sistema político e administrativo, judiciário entre outros, está tão capenga que qualquer ação, já nos deixam com um pé atrás sobre o crédito de tal ato.
    Quando se v o qto o LULA ficou feliz na compra da COPA para o Brazil, vi que dali siria algo de muito ruim para o povo.
    Acho que se é bom para o país…, é péssimo para o povo (lê-se país, como sendo somente dos barões financeiro).

    Responder

  • leandro kanis disse em 02/10/2012 | 02:31.

    Muitas verdades foram ditas, porém muita besteira também.
    O documentário é bastante sensacionalista e ainda pedem dinheiro no final…

    E concordo com o Flavio, estar num lugar ilegal ha 40 anos nâo lhe faz dono do local.

    Responder

  • Adrian disse em 02/10/2012 | 02:42.

    Concordo com sua opinião Flávio.
    Eles sabem que estão em um terreno que não pagaram. Não tem o direito de reclamar da ação do governo. Se eu como qualquer outra pessoa quiser uma casa própria tenho que pagar o terreno. Infelizmente é assim que funciona.

    Responder

    • Alex disse em 02/10/2012 | 07:22.

      Pela lei,sim,faz.

      Responder

    • Alex disse em 02/10/2012 | 07:25.

      Pela lei ,sim,faz.Daí a existencia do favelado rico,dos grileiros de terras e etc…

      Responder

  • @LuanBorges disse em 02/10/2012 | 04:11.

    É muito fácil falar que o pobre tá errado, que é invasão e que é área pública. Só que é mais fácil ainda ver que o poder público SEMPRE renegou o pobre e SEMPRE teve uma política de desfavorecimento do pobre. Desde Pereira Passos, o pobre sempre foi jogado em segundo plano. Foi na política do “bota abaixo”, foi na abolição da escravatura, que aboliu sem integrar, é hoje com Eduardo Paes excluindo os pobres pra atender à especulação imobiliária.

    Renova a Zona Portuária, faz enormes torres, prédios bonitos para abrigar as novas multinacionais e empresas de Eike Batista com o X no nome. E joga o pobre lá pros fundilhos da Zona Oeste, sem saneamento, sem segurança, à mercê de traficantes e milicianos. Afinal, quem se importa? O importante é atender as necessidades dos empresários.

    É muita Classe Média Sofre que eu vejo nesses comentários. É muito fácil falar que pobre é pobre porque quer, que pobre é acomodado, que pobre é isso e aquilo, quando se teve papai pra pagar estudo, quando nunca precisou trabalhar pra ajudar a pagar a conta de luz, pra colocar comida na mesa. A realidade é outra! Vivam com um salário mínimo, ou menos, como tanta gente vive. Diga pra um pai de família, que tá sendo removido da sua casa, que ele construiu tijolo por tijolo com o suor de anos de trabalho, que ele é pobre porque quer!

    Dá vergonha ver tanta gente que se preocupa apenas com o seu umbigo. E essa gente, é a mesma gente que gasta 500 reais numa bolsa, numa calça. Essas famílias que vocês dizem que “são acomodadas” tem isso por mês pra sobreviver.

    Responder

  • Felippe disse em 02/10/2012 | 04:25.

    Assim como podemos considerar um fato a ilegalidade da apropriação indevida de propriedade, também podemos considerar fato a nossa constituição, certo?

    Então ai temos:

    Constituição Federal

    Capítulo 2 – Dos Direitos Sociais

    Artigo 6º: São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a MORADIA, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.

    Então eu pergunto, que exemplo dá um Estado que não consegue nem ao menos cumprir sua constituição ao seus contribuintes? Se o Estado não é capaz de cumprir a lei, por que devemos nós abaixar a cabeça e ficar vagando pelas ruas sem moradia? Estão mais do que certas as pessoas que moram nas favelas e que reividicam seu direito a moradia, tanto que é por conta disso que o Estado sempre fez vistas grossas às favelas, pois sabia que antes daquelas pessoas estarem descumprindo a lei, o próprio Estado estava se ausentando em suas funções mais básicas.

    Sobre o vídeo não se tem muito o que dizer, apenas que cada vez mais dá medo de ver o que o Rio de Janeiro vem se tornando.

    Responder

  • Hobsbawn disse em 02/10/2012 | 05:51.

    O tal Andreas que aparece no filme deve ser namorado da italiana ongueira que foi estuprada por um “dimenó”…
    Volta pra tua terra e não vem encher o saco dos brasileiros.
    Teu país certamente esconde o lixo debaixo do tapete, estrangeirozinho palpiteiro.

    E quanto às favelas: derruba tudo, tal como fez o prefeito Pereira Passos, quanto desinfetou o Rio, há um século.

    Chega de passsar a mão na cabecinha de trambiqueiros!

    Responder

    • Mhari disse em 02/10/2012 | 04:30.

      Hobsbawn, troca esse nome… vc tem um conhecimento muito raso de história para ficar criando uma associação absurda com o nome do cara…

      Responder

      • Hobsbawn disse em 02/10/2012 | 06:52.

        Mhari, teu conhecimento de história não chegou ainda a meus calcanhares. Excusez du peu.
        Escolhi o nome justamente porque o defunto desta semana amava os ditadores de esquerda, e nunca admitiu que eles eram… ditadores.

        Responder

    • Ellen disse em 04/10/2012 | 04:02.

      Arrogância típica de conservadores… Ignorância maior não há. Comentários seus devem ser sumariamente desconsiderados. Limite-se ao seu individualismo que o desumaniza e poupe os demais de sua diminutez!

      Responder

      • Ellen disse em 04/10/2012 | 04:12.

        Irônico é que só fui ver que foi exatamente você quem respondeu meu comentário anterior, depois de ter respondido a este comentário absurdo. Fiquei satisfeita em estar certa duas vezes sobre a sua ignorância!

        Responder

  • Brenno Comarella disse em 02/10/2012 | 06:31.

    Com esse video nem vou entrar no mérito da questão se tem direito ou não, mas me faz pensar em como explicar a aprovação de 80% do Governo Federal e que o atual Prefeito candidato a re-eleição está em 1o. lugar nas pesquisas, como entender esse paradoxo??????

    Responder

  • Matheus Bockius disse em 02/10/2012 | 09:01.

    Este é um assunto delicado, porém não devemos nos omitir, parabenizo a iniciativa de vocês neste documentário.
    O poder publico é omisso, qunato dinheiro não está sendo desviado nestas obras multimilionárias? Tudo saindo do nosso bolso, independente do estado em que você more, temos de revindicar!
    Mais uma vez fica aqui meus PARABÉNS, por terem esta iniciativa!

    Responder

  • Antonio disse em 02/10/2012 | 10:06.

    O triste é que todo mundo sabe que favela nunca foi solução pra nada, nem pro governo que viu surgir ali uma fonte de crimes e problemas, embora também uma fonte de massa de manobra, nem para os favelados, que se enganam achando que vão ter vida de novela por morar no Rio.

    O engraçado é que olhando assim de fora parece até que só no Rio essa galera poderia viver. Gostaria de saber quantas cidades no Brasil fariam bom uso de mais pessoas para trabalhar em fábricas, na lavoura, etc. Também é interessante ver como o tipo de pessoa influi na situação.

    Por exemplo, muitos anos atrás no RS, imigrantes alemães e italianos tiveram que achar um lugar para começar a vida aqui no novo mundo. Porém, as terras baixas, ideais para plantações e afins, já estavam ocupadas, então eles tiveram que ir para a Serra gaúcha, cheia de morros e montanhas. Só que naquela época não tinha a modinha de reclamar para o governo, a galera teve que suar e batalhar por anos e anos para tornar a terra dura produtiva. Resultado: diferente dos morros do Rio, a serra gaúcha é uma das regiões mais ricas do RS e tem um povo trabalhador e honesto como base da sociedade.

    Em suma: povo do meu Brasil, pare de reclamar de governo e tenta entender que a galera que está lá é um reflexo de quem está aqui. Político também faz parte do povo, são os ditos representantes e não entidades que sempre estiveram por lá. É inadmissível uma pessoa que passou a vida inteira dando jeitinho pra se dar bem na vida ficar reclamando que o governo sempre deixou fazer merda e agora quer fazer as coisas direito.

    Fazer o certo quase nunca é fácil, exige comprometimento, concentração, trabalho duro e aceitar ceder as vezes e não querer dar um jeitinho para se dar bem sempre. A galera das favelas durante muitos anos contou com a vista grossa do governo para viver sua vidinha de cidade grande, nunca foi segredo que estavam em situação ilegal, agora que o governo tá cobrando o “certo”, por qualquer motivo que seja, pessoal vai chorar? Pq não tentou sair antes, dar um jeito de não ter que depender disso pra viver? Isso também é culpa do governo?

    Como já disseram aqui, muito fácil cobrar direitos e esquecer dos seus deveres. Eu batalhei minha vida e consegui ter a paz mental de saber que não to fazendo nada errado e que ninguém vai bater na minha porta e querer me tirar de casa, pq o resto das pessoas não consegue valorizar isso também?

    Estavam confortáveis vivendo em favela e agora tão tirando a mamata de vocês? Bem vindo ao mundo real, bora trabalhar pra fazer as coisas direitinho dessa vez.

    Um abraço, Flávio, bom saber que a tua opinião não é demagoga como a dos caras desse vídeo, ponto positivo pra ti e para este blog.

    Responder

  • Danilo disse em 02/10/2012 | 11:06.

    Cara… parabéns pelo pensamento crítico. Quando vi o título do filme entrei predisposto a doar dinheiro. Mas vi o trecho pronto não concordei com várias coisas.

    Um exemplo: Com absoluta razão o pessoal da favela quer a presença do Estado. Isso está certissimo. Mas a presença do Estado é muito incoveniente as vezes. O Estado, por exemplo, gosta de cobrar IPTU (com o registro dos imóveis isso deve passar a ser feito). Num local que, ser for feita uma avaliação justa, é muito valorizado, quem vai conseguir pagar isso?

    Esse é o preço de deixar de ser marginalizado. Você entra na economia de mercado. E na economia de mercado aquele não é um lugar para ter favela.

    Responder

  • Bruno disse em 02/10/2012 | 11:08.

    A verdade é que tem que tirar e colocar em outro lugar. Mas onde?
    Só existe lugar afastado e que com o caos que esta o transito do Rio temora horas para chegar ao centro e ao seu local de trabalho.
    Falemos a verdade, que não iria preferir morar no morro, sem pagar absolutamente nada, fazendo todos os tipos de gatos possíveis, com a vista monumental de Copacapana ganhando bolsas familia, gas etc. que morar longe pra caramba e ainda tendo que pagar as contas? Não é difícil responder.

    Tem que retirar sim, mas colocar num local adequado, mesmo que este seja mais longe.

    Responder

  • Cintia Alves disse em 02/10/2012 | 11:11.

    A novela da globo, Lado a Lado, mostra como começaram essas moradias ilegais.
    Foi uma saída para quem era carente de atenção do governo, já na época.
    Pronto, o problema se estabeleceu, falta agora soluções práticas e eficazes para a situação!

    Responder

    • Sery Volk disse em 02/10/2012 | 01:00.

      Mas, Cintia, não é só por carência de atenção! Tem famílias que chegam do interior ou de outro estado para “tentar a sorte” na cidade grande e se estabelecem em ocupações ilegais.
      E, exemplo bizarro do Rio, têm oportunistas que chegaram na favela porque era barato.
      Além disso, tem todo o pessoal que já poderia sair da favela, mas simplesmente prefere continuar por lá porque é de graça, por comodismo ou porque é simplesmente vantajoso usar o discurso do “estou na favela, sou um pobre que está aqui porque colonialistas me exploram, a SOCIEDADE precisa pagar a dívida que tem para com minha família, blá, blá, blá…”.

      Responder

  • Diego disse em 02/10/2012 | 11:17.

    Uma das grandes coisas que eu aprendi na vida de um professor foi que enquanto confundirem DIREITO e JUSTIÇA, ambos os lados vão estar discutindo em línguas diferentes.

    Pela lei (direito), os moradores de favelas deveriam ser removidos de suas ocupações ilegais (ressarcidos, análise caso a caso), senão por conta da condição ilegal da moradia, pela situação de risco do imóvel. Isso independente de UPP, whatever.

    Mas depois que você deixa as pessoas viverem lá em situação de abandono por décadas, inclusive sobre domínio de um poder paralelo, retoma o controle, constrói obras de infraestrutura (mínima, mas ainda sim) e sobe lá para buscar votos, bom, a situação não é tão mais simples assim.

    Lógico, desapropriações são parte da rotina de governo. Pobre, rico, classe média, se o governo disser que precisa daquele terreno em função do bem público (um termo ambíguo), você pode chorar bastante na justiça para discutir o valor, mas a propriedade, provavelmente, já era.

    Agora, o estado não tem mais legitimidade para desapropriar uma comunidade inteira.

    Eles podem desapropriar 1000 famílias, assim como desapropriaram dezenas de fazendas Brasil afora para construir hidrelétricas, assim como desapropriam casas país afora para expandir ruas, avenidas, viadutos, etc.

    Mas desapropriar uma favela inteira? Não mesmo. Coibir expansão, legalizar propriedades (inclusive inspecionar casa a casa, no duro, condenando aquelas sem condições de habitação), avaliar as condições gerais de moradia e construir infraestrutura. É por aí que a coisa vai.

    Responder

  • Trotta disse em 02/10/2012 | 11:31.

    O dificil de botar o dedo na ferida é quem o faz e quando o faz sai com o dedo sujo e cheio de hipócritas reclamando, mas na verdade a maioria pensa igual ou pior mas não tem culhão de botar a boca no trombone, mas é assim mesmo.

    Responder

  • Dede disse em 02/10/2012 | 11:55.

    Que bonito a comunidade unida pra manter as familias, mas cade essa união na hora de denunciar o trafico????? Na verdade, tdo mundo quer ser esperto, não só os ricos, os pobres tambem, são mto unidos qdo há o interesse individual…a unica diferença entre o pobre e o rico é a conta bancaria, pq o resto é igual…tdos hipocritas!!!

    Responder

  • Leonardo disse em 02/10/2012 | 11:57.

    Deixa ver seeu entendi. Os moradores da favela nunca quiseram ser, pois era considerado gueto ou entulho pra gente, certo? Agora tem gente com grana que quer curtir a vista privilegiada do morro e os caras tão falando que amam os barracos de taipa? Que Gosta de gueto? que valoriza a chance de despencar colina a baixo em dia de chuva? Dava Escolta pra traficante e agora que se valer de lei de usocapiao? Ehhhh num faz sentido…..

    Responder

  • raquel disse em 02/10/2012 | 12:14.

    Lamenza, entendo que você acredite que o povo não é dono do lugar, sim, realmente, é uma ocupação ilegal.
    Não te culpo por não conhecer as leis urbanas, afinal você não é arquiteto, ou trabalha na prefeitura, e a maioria da população não conhece mesmo tais leis.
    Mas existe um instrumento social previsto em legislação, que dá a posse legal da terra urbana para moradores de comunidades cuja ocupação já exista a um período x de tempo, então mesmo que o cara não tenha comprado terreno, o espaço pode ser dele sim, e isso é legal do ponto de vista jurídico.
    Isso falando friamente e se baseando em documentos formais, mas se formos também olhar outro ponto de vista, o do sentimento de pertencimento e de amor ao lugar (que também é objeto de estudos sérios na arquitetura, ou psicanálise), claro que eles estão certos em falar que se sentem os donos, mesmo que não tenham nenhum documento que comprove aquilo.
    É um assunto que possui vários vieses e vertentes, olhar apenas por um lado não leva a muitas conclusões sensatas!

    Responder

  • Marco_una disse em 02/10/2012 | 12:24.

    Na boa, não vi o vídeo ainda, somente li o texto e alguns comentários citados ai em cima.
    Trabalhei quatro anos com saúde pública e imaginem vocês, o cara vem desmata, constrói, não paga imposto pela moradia, não paga luz pois a ligação é ilegal, não paga água pois tbm é ilegal, com isso há um aumento da população e não um aumento de tributos, sendo assim, vai faltar médicos, vai faltar aumentar as filas para exames, e tanta outras coisas públicas e gratuitas que são direito de todos. Agora eu pergunto a vocês que pagam impostos, e moram na legalidade perante a lei e tem de pagar seus impostos, isto é justo ???????????????

    Responder

  • Bruno disse em 02/10/2012 | 12:29.

    Usucapião isso aí já…..se não estiver enganado, apenas não lembro se propriedades do governo e/ou propriedades que cumprem sua função social e/ou área preservada possam ser “usocapiadas”.

    Responder

  • Eduardo disse em 02/10/2012 | 01:04.

    Não existe usucapião de bem público!!! As invasões são ilegais e constituem, deveras, um grave problema social. Confesso eu que não sei o que poderia ser feito neste caso.

    Responder

  • Wellington Cunha disse em 02/10/2012 | 01:24.

    Olha, até concordaria com seu ponto de vista se a remoção das pessoas fosse com o intuito de restaurar a vegetação que ali existia, mas retirar o pessoal de baixa renda para “remodelar” o local, assim ganhando com a especulação imobiliária é desumano e um crime. Isto se chama gentrificação. Acontece o mesmo na região da Luz (conhecida como Cracolândia) em São Paulo. Reza a lenda que o prefeito e seus asseclas, que são comprovadamente oriundos do mercado imobiliário, compraram imóveis a preço de cracolândia e pretendem vender à preço de “Nova Luz”, “SoHo Paulistano”, sei lá o que, e pra isto, precisam “limpar” a área. Se é para “reurbanizar”, que esta reurbanização seja para alocar as pessoas que já vivem ali.

    Responder

  • Gaucho disse em 02/10/2012 | 01:39.

    Curioso que falam sobre o “Brasil que queremos criar, o futuro do Brasil esta em jogo”…..
    Quer dizer então, que o Brasil se resume ao Rio de Janeiro??? Mais especificamente, a bairros da cidade do Rio de Janeiro???
    Com todo o respeito ao cariocas e mesmo possiveis vitimas afetadas pelas obras ligadas a Copa do Mundo, JULGO EXTREMAMENTE necessario dizer que de MODO ALGUM, sob nenhuma hipotese, o Brasil se resume a bairros da cidade do Rio de Janeiro……
    Dito ainda que as Olimpiadas serão tão e unicamente na cidade do Rio de Janeiro, acho uma tremenda HIPOCRISIA e exagero se citar que”o futuro do Brasil esta em jogo”…..
    Facilmente se perde a credibilidade e mesmo o apoio de pessoas simpaticas aos problemas dos moradores destes bairros ao se resumir um pais de 200 milhões de pessoas a uma serie de bairros de UMA unica cidade…… Alem claro, de no meu ponto de vista, se menosprezar toda a demais população do pais…..

    Responder

  • Gabriel Martins disse em 02/10/2012 | 02:05.

    Bom , eu em particular achei que o vídeo mostra apenas o lado do “favelado” , porém não põe na balança que os moradores estão errados , começaram errados , deram força à eles (digo isso pelo fato dos governos anteriores terem permitido a criação e apoiado com ligação de água, luz, transporte público) , agora depois de tantos anos , o povão mal acostumado com a “moleza” . Fica difícil mesmo , não critico quem mora em área de preservação , favelas ,públicas ou invadidas , mas isso pode acontecer e no meu ponto de vista está certo , tem de tirar mesmo …
    Massssss … tem de colocar essas famílias em outro lugar . Sou de Santos-SP , aqui ao lado temos a cidade de Cubatão , onde estão remanejando mais de mil famílias das encostas da Serra do Mar , fizeram várias moradias(prédios e casas) , onde vão ser transferidas estas famílias , mas nesses novos bairros ja estão dispostos , escolas , postos de saúde e postos policiais . Achei interessante esse programa , porém já vi várias irregularidades , por exemplo tem gente que estava inscrito no programa que está deliberadamente vendendo seu futuro imóvel , e partindo para outras áreas , fazendo um barraco , se recadastrando e ganhando o imóvel novamente …
    O grande problema desse país é a educação , ou melhor a falta dela , enquanto formos ignorantes burros e “espertos” , os políticos ,os patrões ,os empresários tirarão proveito disso e ficaremos na mesma … à base de novelas , futebol ,carnaval, e Big Brother; UM PAÍS DE TOLOS !!!

    Responder

  • beto waltz disse em 02/10/2012 | 02:15.

    Nada mais é do que propaganda do freixo.
    O capacita esse cidadão para virar prefeito do rio?
    Grande picareta.
    Infelizmente a cidade precisa remover sim essas favelas, faz parte do progresso. Quero ver alguém construindo um barraco em frente a casa ou apartamento de vocês e a vizinhança ficar satisfeita.
    Começou errado vai terminar errado.

    Responder

    • Rodrigo disse em 02/10/2012 | 03:49.

      E continuamos repetindo os mesmos erros de 100 anos atrás, utilizando a vassoura do progresso pra varrer os indesejados pra bem longe. Espera daqui a 30 anos pra ver os indesejados voltando com armas e nós teremos um novo ciclo de violência desenfreada e fora de controle. Sem dúvida um belo legado dos jogos olímpicos! A remoção é uma medida simplista que não resolve o problema de forma alguma. Tem que haver política de habitação, dinamizando a economia para atrair as pessoas para outras áreas. Tem que exigir que o sujeito pague pela casa onde mora (nem que demore 50 anos, mas tem que pagar), pra evitar que as casas se tornem moeda de troca. Tem que ter transporte de qualidade, para que ninguém que mora em Santa Cruz demore 3 horas pra chegar no Centro, valorizando as áreas ainda livres, principalmente na Zona Oeste. Enfim, é um problema que envolve muito mais do que remover essas pessoas.

      Responder

      • beto waltz disse em 02/10/2012 | 03:59.

        Liberar essas áreas em prol da evolução e melhora da cidade é um bom começo.
        Temos exemplos de sucesso na história, em 1964, Carlos Lacerda iniciou um processo de desmanche das favelas, removendo seus habitantes para “Conjuntos habitacionais”, como Vila Kennedy e Cidade de Deus. Em 1970, na gestão de Negrão Lima, a favela que é hoje o Parque da Catacumba foi removida.
        Depois da remoção da favela, o morro passou por um processo de reflorestamento e a natureza encarregou-se do resto.
        Se Lacerda deixasse estaríamos em situação muito pior, mas uma UPP para bancarmos graças aos coitados que vivem de gatonet, gatoLight e gatoCEDAE.

        Responder

  • Saraiva disse em 02/10/2012 | 02:28.

    NÃO QUERIA VER O VIDEO, ACABEI ASSISTINDO..É UMA PROPAGANDA POLITICA DO MARCELO FROUXO, UMA COISA DESCABIDA SEM SENTIDO.
    NÃO SOU CARIOCA E TENHO PENA DOS MORADORES DO RIO, PAGAM UM IMPOSTO TÃO ALTO, PARA UM MONTE DE VAGABUNDO FICAR NO MOLE.
    VIDEO TENDENCIOSO E PARTIDARIO.

    Responder

  • Nanda disse em 02/10/2012 | 02:33.

    Se fosse tão simples quanto todos falam… o buraco é mais embaixo… mas podemos resolver votando nas pessoas certas, com motivos concretos nas eleicoes, nao so nessa, que ainda nao resolveria nada, mas nas proximas e em todas as outras. Nao só votar nesse pq o outro ta ganhando… Td errado… é um ciclo…

    Responder

  • Eu… disse em 02/10/2012 | 02:56.

    Nem sou carioca, mas apoio a decisão… Se alguém não está contente em sair da favela, que volte para o estado de que veio, garanto que 95% das pessoas da favela iriam sumir, tanto do Rio, quanto de São Paulo… Não é preconceito, mas as pessoas não podem achar que sair de um estado pra ir pra outro vai resolver a vida de alguém. As pessoas nem estudo tem e acham que vão chegar na selva de pedra e conseguir trabalho fácil e ganhar milhões… Tá cada vez mais difícil até para quem tem faculdade, imagina pra eles. Quando não conseguem, acham que tem direito de viver na encosta do morro e fazer 15 filhos, onde 5 irão morrer antes de completar 10 anos, 5 irão virar bandidos e os outros 5 viverão do tráfico… É a dura realidade!!! E depois querem reclamar da vida de miséria que levam…

    Responder

    • Eu… disse em 02/10/2012 | 03:33.

      Corrigindo:

      “que volte para o estado de ONDE veio”

      Responder

  • Eleitor disse em 02/10/2012 | 03:20.

    Fecha o Rio com muros e fica para o povo. Corta a energia, agua, cabo e telefone que muitas vezes sao gato. Retira a seguranca a educacao e a saude, que ja sao uma lastima. Beleza agora, o Rio e de todos. Sem poder publico. quem corrompe e o governo e o corrompido e o povo. Olimpiada, copa, carnaval… Se pagar o povo sai, e uma questao de quanto. Agora o preco sobe pelo documentario. Sao todos corruptos. Afinal, cada burro tem o cabresto que merece. Tambem vou fazer um video……

    Responder

  • Ana Luiza Castro disse em 02/10/2012 | 03:29.

    No rio existem favelas e favelas. tem favela de pobre, mas tem favela de aproveitadores. casas e aps q custam 200 mil e vai dizer q sao coitadinhos e mortos de fome? tudo com tv de led e ar condicionado o dia todo. Favela do pontal no recreio é uma delas.

    Responder

  • beto waltz disse em 02/10/2012 | 04:03.

    Ainda bem que os cariocas estão conscientes. Por os moradores das “comunidades” vão reeleger Eduardo Paes? Por que sabem que Marcelo Frouxo tem não cabedal para ser prefeito do rio. Outro dia passei pela Central do Brasil e vi várias pessos com cara de maconheiros distribuindo panfleto do FROUXO. O que ele esta prometendo, liberar a maconha no Rio?

    Responder

  • José disse em 02/10/2012 | 04:45.

    Primeiro:
    Obras do Porto Maravilha, como os que estão sendo feitos no Morro da Providência não são remoção. Serão realocados os moradores nas casas em áreas de risco, em áreas onde estão instalados e onde ficarão os equipamentos de melhoria: Teleférico, quadras de esportes, abertura de novas vias. Isso vai atingir menos de 2% do total dos moradores.
    Os moradores serão realocados para um conjunto habitacional na base do mesmo morro. Durante o período das obras, os moradores afetados estão recebendo o chamado aluguel social. Lógico que alguns não estão satisfeitos, mas garanto que ao final 99% estará muito feliz.

    Segundo:
    “Debate democrático”, “ouvir a população”, “direito democrático”… Me desculpem, mas isso não faz parte desse grupo social/comuna quando estão no poder. Vide a antiga União Soviética, China, Coreia do Norte, Cuba. Exemplos de democrácia, não? Se você pensa diferente, você é um alienado reacionário, pequeno burguês (nem grande deixam você ser…).

    Terceiro:
    O video é tendencioso sim. Uma bela propaganda política para atrair os “Frouxas”. Lamento que em 2012, a gente ainda tenha que ler comentários com tão pouco argumento e carente de informação. Pessoal, a informação está disponível na internet. É só procurar em foruns diversos.

    Antes que apareça um almofadinha social me pedindo para ler Marx, Engels, e os discursos de Bakunin: Muito obrigado, mas eu já li. Inclusive admiro a obra deles, mas entendo o contexto histórico também.

    Responder

  • André disse em 02/10/2012 | 05:07.

    Bom, qualquer situação que envolva pessoas é uma situação complicada. Eu concordo com o Flavio, pois de fato foi ocupado irregularmente e eles não pagam impostos para viver lá. Como um outro leitor escreveu acima, nessas condições eu também lutaria pra permanecer lá, afinal não aguento mais pagar contas e impostos e ver meu dinheiro ser jogado no bolso de corruptos.

    Só que, infelizmente esse é o retorno que uma população que menospreza seu voto tem, vota em qualquer politico que dá uma dentadura pro cidadão ou em um palhaço da TV como “voto de protesto”, quer o que como retorno? Uma melhor qualidade de vida e melhorias na sua comunidade? Sinto muito né, sejamos realistas.

    Agora sobre os grandes empresários que investem nisso, temos que lembrar que são EMPRESAS e o objetivo básico de qualquer empresa é obter lucro, se o tal vê uma oportunidade de ganhar, ele vai atras afinal de contas, a população ignorou a chance de colocar pessoas que poderiam defende-los e com intenções de melhorar a cidade no momento da eleição em troco da citada dentadura. Não estou dizendo que é certo ou errado, estou apenas apresentando uma situação que muitos tem consciência e que hipocritamente criticam, pois todos buscam mais dinheiro e melhorar de vida, e muitos neste modo de custe o que custar.

    Uma outra leitora falou acima que todos nós vivemos em áreas que algum dia foram ocupadas inclusive o Flávio. Bom, se ela pensa assim que venda seu imóvel ocupado irregularmente e dê o dinheiro pra ajudar aquele povo que precisa. Eu pago muitos impostos e honro meus deveres pra ter o pedacinho de terra que estou lutando pra pagar então desde que as pessoas deste documentário façam o mesmo, concordo plenamente que eles tem direito de ficar, caso contrário sinto muito, mas no meu ponto de vista não concordo da permanência.

    Claro que se a prefeitura está tirando eles de lá tem que dar outro lugar para ficarem, mas se precisar tirar, concordo em tirar.

    Resumindo, agora que é interessante para poucos tomar aquela área, eles vão fazer pois tem poderes pra isso, e a população infelizmente que tente aprender com seus erros. Quem sabe algum dia ainda teremos cidadãos conscientes e ativos na politica não?!

    Abs…

    Responder

  • Sora disse em 02/10/2012 | 05:26.

    Olá, vou dar só uma breve comentada, mas é muito legal postar videos e gerar debates sobre isso. É assim que acontece o desenvolvimento de pensamento e tira a alienação do povo.

    Não vou entrar no tema de olimpíadas pois minha opinião é que o Brasil não está preparado para isso ainda, se fosse daqui alguns anos ele poderia ter o que chamamos de Legado pós-olímpico como aconteceu com Barcelona em 1992. Mas bem, a olimpíada ao meu ver é um problema infimamente menor que a copa do mundo. Mas enfim…

    Sobre as favelas é um problema politico e social. Primeiramente se a pessoa está em cima de um terreno (mesmo que já tenha dono) por LEI do Uso Capião, se ele fica em cima do terreno por 5 anos e NINGUÉM foi reclamar o terreno já é dele. Pois a justiça acredita que se o dono do terreno não reclamou nesse prazo de 5 anos ele não precisa do terreno e pode ser concedido para outro.
    Então se a pessoa está em cima de uma área a 40 anos por direito de lei é dela.

    SÓ QUE por lei é proibido fazer casas em áreas de risco, como perto de rio, morros com inclinação acentuada, terrenos instáveis, etc etc. Quem denomina essas áreas é o poder Publico Municipal no seu plano Diretor, então mesmo se a pessoa ta lá a 40 anos ela não pode estar porque é um risco pra sua vida.

    Só que, se é um risco fazer casas ali, porque existem favelas? Primeiramente existe favela porque o PRÓPRIO GOVERNO incentivou a sua criação, depois da Guerra dos Canudos o governo prometeu recompensas ao soldados que não a tiveram e assim invadiram morros para morar e formaram as primeiras favelas brasileiras, com o governo querendo industrializar rapidamente o país começou a acontecer o êxodo rural a população foi chegando e chegando e adivinhem só… não tinha infraestrutura para elas na cidade e o que o governo fez? Apoiou a construção de mais favelas.
    Sim o governo é o culpado por existir as ditas favelas e não a população.
    E por que hoje as favelas não são destruídas? Impossível hoje de eliminar as favelas…

    Uma que favela da voto, comunidade da voto, e ele nunca vão querer perder os ditos votos, outra porque não tem onde enfiar o povo que mora em favela. Como tirar milhões de pessoas que moram ali? Impossível, não tem logística para isso. Mas é um problema que tem solução. SE o governo quer. O nome disso se chama Urbanismo e Planejamento, se o governo quisesse ele ia conseguir regularizar as favelas, dando infraestrutura, tirando de lugares irregulares, criando leis para construção, investido, fiscalizando etc etc.

    Só que isso é um planejamento a longo prazo e coisas a longo prazo não existe no Brasil. Por isso todo ano tem enchente e todo ano morre um monte de gente nesses lugares.

    Enfim, podia escrever muito e muito mais mas acho que já estou desviando o assunto rsrs.
    A questão é que a solução é o governo e quem vota no governo é o povo e o povo infelizmente não se interessa e isso é um ciclo vicioso. E pelo nível de uns comentários que eu vi, tem gente que nem sabe como surgiu a coisa e fica criticando e nem tem ideia de como poderia ser resolvido o problema.

    Responder

    • Masterson disse em 02/10/2012 | 10:36.

      *breve comentada… uhumm rsrs

      Responder

      • Danilo disse em 03/10/2012 | 12:55.

        hehehe… Imagine se falasse muito!

        Responder

    • nanda disse em 03/10/2012 | 02:03.

      Acho que foi o comentario mais sensato até agora… Parabéns.

      Responder

  • smo disse em 02/10/2012 | 07:06.

    É o samba do documentarista doido.

    1 Começa falando de algo e parte a falar de outra coisa.

    2 É claramente panfletário: Campanha política alternativa do candidato Marcelo Freixo???

    3 Omite dados sobre a real situação dos imóveis desapropriados.

    4 Junta uma série de depoimentos e imagens, muitas vezes desconexos.

    Em Resumo:

    Não duvido de abusos das autoridades numa tentativa de “maquiar” a cidade maravilhosa. Mas criticar as UPP’s é criticar o maior projeto de combate a criminalidade que esta cidade já viu. Criticar desapropriação de imóveis em área de risco é ser cumplice das mortes de pessoas em tragédias.

    Responder

  • Smo disse em 02/10/2012 | 07:14.

    Só para constar, a favela do Morro da Providência foi ocupada há mais de cem anos. Não foram eles e sim seus tataravôs que ocuparam com anuência do governo do Distrito Federal à época.

    Queria comentar também a entrevista com o Alemão residente no Vidigal. Lamentável!

    Responder

  • Boing disse em 02/10/2012 | 07:24.

    O sistema no Brasil é injusto pra caralho. Mesmo que a favela seja produto de uma invasão de terreno, o governo não pode tirar uma pessoa que mora 40 anos no mesmo lugar por conta da sua própria leniência e jogá-la ao léu, sem eira nem beira. Tudo isso por conta de duas merdas de eventos que não vão deixar legado nenhum pro Rio de Janeiro.

    Responder

  • Pedro disse em 02/10/2012 | 07:44.

    Flávio, todas as liberdades, inclusive a de expressão, são a melhor coisa da vida. Pode-se falar, com responsabilidade, o que se quiser neste país, ao menos devemos brigar até a morte para que seja assim, pois é o que diz a CF/88.
    Mas enveredar para outros campos, como o do que é ilegal ou não, apesar de não fugir a sua liberdade, humildemente penso ser uma abordagem no mínimo inoportuna.
    Quando um formador de opinião como você diz coisas peremptórias como “isso é ilegal, ou deveria ser”, sugere um conhecimento implícito que talvez (eu disse talvez) você não tenha. O que não acho que aconteceria se vc escrevesse: “Gente, isso não é ilegal? O que acham? Po, acho uma sacanagem”.
    Eu acho muito interessante o humor travestido de eruditismo, camuflado de conhecimentos e incitando o pensamento e a busca por novas informações. Na verdade, esse é o melhor humor.
    Mas com grandes poderes vêm grandes responsabilidades, já dizia o poeta.
    Um cientista social lendo isso, pega mal pra vc. Alguém imaturo lendo isso, pega mal pra ele, pois talvez não vá ter o interesse de ir atrás saber dos fatos.
    Um abraço, meu caro.

    Responder

  • bel disse em 02/10/2012 | 09:21.

    a merda vai ser quando NÓS “‘playboys”’e classe m’;edia em geral formos considerados pobres… O q farão conosco???

    Responder

  • Simone Pereira disse em 02/10/2012 | 10:13.

    Aqui em PE estão construindo uma bairro planejado na reserva do Paiva, se seu Zé fosse abrir uma barraca de coco ali seria esculachado pela prefeitura. Dois pesos duas medidas.

    Responder

  • Masterson disse em 02/10/2012 | 10:47.

    …Blá blá blá e é tudo muito ilegal das duas partes. O povo pq é (foi) esperto e chora quando lhe punem, e o governo pq faz vista grossa pra muita coisa e quando convém mantém o discurso de que está trabalhando. Acordem pessoal, acorda vc tbm Flávio. Se as UPP’s são muito boas e resolvem o problema então pq esse projeto não foi posto em prática antes? Pq era cômodo manter o tráfico operante, mas agora tem coisa que dá mais dinheiro, e pior, gente muito maior por trás. Se as moradias são irregulares então pq não regularizou antes? Pq isso gera marketing contrário para o político, e quem vai querer isso não é mesmo? A verdade é que ninguém dá a cara a tapa a não ser que coisa muito grande esteja envolvida. Isso tudo será muito bom, trará muito dinheiro, MAS NÃO PARA VOCÊ QUE LÊ ISSO. Pq não sejamos hipócritas, quem realmente está envolvido com isso tudo não tem (ou não perde) tempo lendo isso aqui. Na minha concepção, está todo mundo errado, seja o pobre, o rico ou o governo.

    Responder

    • Bel disse em 03/10/2012 | 12:03.

      São tantas questões mas uma coisa você disse certo, cada um tem sua parcela de culpa.

      Porém como contribuinte, tendo a achar que algumas ações de retomada de poder do estado me parecem acertadas, simplesmente por não achar justo que eu contribua e outros não.

      Responder

  • Arthur disse em 02/10/2012 | 10:48.

    Esse vídeo apresenta 99 problemas e vcs vão ficar discutindo a legalidade ou não da favela?
    Parabéns Flávio, entendeu bem o vídeo! Fez um comentário de bosta, totalmente fora do contexto e gerou polêmica. Tipica mídia.

    Responder

  • llort disse em 02/10/2012 | 10:58.

    Nem li os comentários e, como acho que nem vale a pena também, dada a quantidade de crianças, analfabetos e donos da verdade sem noção devem passar por aqui, mando duas partes de músicas do nosso querido Humberto Gessinger…

    “saber, todo mundo sabe /
    querer, todo mundo quer /
    mais fácil falar do que fazer”

    [...]

    “Moleza mandar a tropa atacar /
    da tela do computador”

    Abraços! Bando de lesados.
    :)

    Responder

    • André disse em 02/10/2012 | 11:33.

      hehe.. não sei se dou risada ou se choro… a gente debatendo um assunto, cada um expondo seu ponto de vista e chega um lesado querendo criticar os outros por debaterem… filhão… volta lá pro seu joguinho por que pelo visto conteúdo é uma coisa que você não tem a oferecer….rsrs

      abs..

      Responder

    • Bel disse em 02/10/2012 | 11:59.

      Engraçado que ele é o único lesado que chegou por aqui fazendo exatamente o que ele mesmo escreveu.
      SÓ RINDO!

      Responder

    • Danilo disse em 03/10/2012 | 12:59.

      Pois é… como outras pessoas já destacaram aqui e discussão foi boa… com opiniões diversas, mas quase todo mundo se respeitando bem.

      O rapaz ai perdeu uma oportunidade.

      Responder

    • llort disse em 04/10/2012 | 08:56.

      Acabei de ler os comentários… Só me fez reforçar o que eu disse antes:

      “…a quantidade de crianças, analfabetos e donos da verdade sem noção devem passar por aqui…”

      Fora que deu pra perceber algo que vocês defenderam que não aconteceu aqui: Discussão saudável.
      A maioria é ofensa disfarçada de um “dono da verdade” com rei na barriga pra outro imbecil idêntico…

      Responder

  • Rafael disse em 03/10/2012 | 12:15.

    Lamenza, fiquei realmente triste com seu comentário. Acho inclusive que no quadro gravado para o Kibeloco você não estava fazendo um personagem. Aquele era você mesmo. Fiquei tão triste que não tenho ânimo para expor minhas opiniões. Nem para explicar como ocorrem os processos de favelização (não só no Rio, mas no mundo inteiro). Torço para que um cara inteligente como você estude um pouquinho mais. Gosto do seu trabalho, e acho que, se você mergulhar nessa história, logo teremos um post de retratação.

    Responder

    • André disse em 03/10/2012 | 08:46.

      Puxa, como você é sábio! Só você notou que não se tratava de um vídeo de humor.
      Obrigado por abrir nossos olhos.

      Pena que você não teve ânimo para nos esclarecer como ocorrem os processos de favelização. Seria com certeza uma dádiva de conhecimentos, que eu jamais pensaria poder encontrar aqui.
      Tenho certeza que – assim como eu – milhares de leitores estão torcendo para que isso ocorra muito em breve.

      Responder

  • Hugo disse em 03/10/2012 | 06:08.

    Sr. Flávio Chongas… Bom dia meu irmão…
    Desculpa lá pela crítica, mas visito este blog pois este é um blog de humor.
    Se o senhor começar envolver política na coisa, pessoas como eu, que tem uma opinião divergente, e que já está com nojo a muito desta podridão toda (e que visitam e reconhecem o seu trabalho diário, que salva pelo menos uma pequena parcela do meu dia-a-dia), poderão parar de frequentar, ou de achar admirar o seu trabalho por causa de questões como estas.
    Sem entrar no mérito da questão do post, apareço por aqui diariamente porque você me proporciona bons sentimentos e positividade. Continue proporcionando os momentos de paz que tanto precisamos cara…

    Responder

    • Flavio Lamenza disse em 03/10/2012 | 03:03.

      Querido Hugo, só estou abrindo para discussão. É saudável. Se não é destes que curte, é só esperar que o post novo sai rápido e fresco :D

      Responder

  • Muttley disse em 03/10/2012 | 10:55.

    Como rendeu, hein?! kkkkkk

    Responder

  • rAsTa disse em 03/10/2012 | 12:18.

    Aí Hugo, quem disse que o chongas eh um blog exclusivamente de humor… Tenho certeza que esse tipo de informaçao interessa a maioria que frequenta esse site e voce como brasileiro nao pode dar as costas a esse tipo de problema pq indiretamente influencia a vida de todos. Se voce nao faz nda pra mudar, eh pq faz parte do problema…

    Responder

    • Hugo disse em 03/10/2012 | 12:36.

      Cara… O problema é que fico fazendo coisas demais pra tentar mudar alguma coisa e nada muda, mas eu continuo fazendo…
      Mas o Chongas tem tantas mensagens boas cara, quando digo humor não é tipo piada e Chico Anysio, são de coisas que melhoram o nosso humor…

      Agente se cansa de ver merda em tudo e em todos os lugares, e pensa política e merda o dia inteiro… Blogs como o Chongas me colocam pra cima, tem músicas, videos, coisas que nos colocam pra cima…

      Não é questão de fazer ou não fazer alguma coisa por alguma coisa. É que não é o lugar que eu esperava ter que pensar em fazer ou deixar de fazer…

      E hoje passei o dia inteiro, pensando em como somos enganados e em como tudo tem envolve o interesse de alguém que só pensa em si mesmo, e não é esse tipo de sentimento/pensamento que eu preciso pra seguir o meu dia…

      As coisas estão erradas, todo mundo sabe, mas agente às vezes precisa de uma ilha de calmaria. Polêmica é uma merda, porque nunca ninguém mudará a opinião de ninguém, mas sempre fica alguém com raiva de alguém por questões que ele sequer vai conseguir mudar.

      Responder

  • Leandro Augusto disse em 03/10/2012 | 12:40.

    Realmente nosso povo não está preparado para dar um passo à frente em direção ao desenvolvimento… os comentários revelam uma ignorância de dar dó.

    Primeiro, não é porque o absurdo denominado “usucapião” tem o acobertamento de uma lei caduca e simplória que pode ser legitimado sem qualquer questionamento da sociedade. O espírito da Lei dirige-se às “terras de ninguém” situadas nos imensos vazios populacionais no interior, no qual não se pode enquadrar áreas situadas no coração da cidade do Rio de Janeiro. Portanto, os “adevogados” e aproveitadores de plantão valem-se da ignorância ou imobilidade dos verdadeiros dono da terra e da comodidade da situação para alguns poderosos que obtêm lucros em tais áreas para legalizar ocupações feitas à margem de qualquer razoabilidade, e que em qualquer país minimamente sério seriam varridas do mapa de pronto.

    Em seguida, temos a completa distorção do entendimento do que seria “legal” e “correto”, e mais uma vez constatamos nossa sina a ser o povo regido pela Lei do Gérson. Não seria o certo estarmos clamando pela correta aplicação da Lei, de que nem rico nem pobres estão acima das regras, ao invés de lermos posts com nenhum conteúdo e de português trôpego clamando por justiça social sob a bandeira de que “se o rico pode, eu também posso”?

    Eita povinho de mierda…

    E viva as olimpíadas e a copa!

    Responder

  • Hugo disse em 03/10/2012 | 12:42.

    rAsTa
    (Quando digo humor, não é só piadas, Chico Anysio e coisas relacionadas)
    Não é fazer ou deixar de fazer alguma coisa pra mudar.
    É que todo mundo precisa de uma ilha (Chongas por exemplo) de paz pra continuar lutando.
    Em um debate polêmico as pessoas nunca conseguirão mudar as opiniões uns dos outros, e todos acabam nutrindo raiva/ódio a quem tem uma opinião diferente.

    Passei o dia inteiro pensando em como somos manipulados e em como tudo o que acontece em nossa volta envolve o interesse de alguém, e não era isso que eu queria levar para o meu dia quando acessei o Chongas… (Queria sair com uma mensagem positiva, animais bonitinhos, ou mesmo uma música boa para escutar…)

    Cada coisa tem sua hora, seu lugar e seu papel…

    Responder

  • Nanda disse em 03/10/2012 | 02:10.

    Queria ver se as pessoas se colocassem no lugar de quem vive na favela, se iam falar e fazer td isso que estão falando. Falar de fora é fácil… julgar é muito fácil. Agora nascer naquela situação e não saber além do que eles sabem, isso deve ser díficil.

    Responder

  • Pedra A Machado disse em 03/10/2012 | 03:13.

    Como sempre sempre a política do “coitadinho” prevalecendo. S e estão errados, não importa dsde quando, tem que sair sim, qual é o problema? Isso tanto vale para as favelas do país inteiro quanto para as mansões em beira de lagos, em ilhas, etc. O povão se acostumou tanto em sempre ser o coitadinho, e o governo adora isso, que sempre eles vão achar que tudo é uma luta dos “ricos” contra os “pobres”. O favelado carioca não quer pagar IPTU, luz, etc. ele adora essa situação irregular, assim ele não tem gasto com imposto. O que acontece quando alguma prefeitura de qualquer parte do país começa a cobrar R$17,00, R$20,00 por mes de financiamneto de uma casa popular? O povo reclama diz que antes não precisava pagar nada, mesmo que morasse em um papelão. Até rico nesse país tem gato na luz e na tv.

    Responder

  • Luiz Carioca disse em 03/10/2012 | 04:53.

    Um conselho, limite-se ao humor.

    Esse é um dos posts mais alienados que já li, despreparo total para formar opinião ou dar notícias. Fique no humor que o blog ganha mais.

    Responder

  • Vexa disse em 03/10/2012 | 06:51.

    Ê Marina! o fogo já apagou!…..nunca vou me pasmar com problemas que eu jamais poderei resolver.

    A ignorância é uma benção.

    Responder

  • André disse em 03/10/2012 | 08:21.

    Flávio,
    Não ligue para os que lhe “sugerem” evitar posts como esse. Foi o que gerou o debate mais rico que já li.
    Um blog é – antes de tudo – um veículo para opiniões (que por definição, é algo pessoal).
    Gosto – e muito – do humor do site, mas achei muito legal o buzz provocado

    E, só pra apimentar a conversa…. ENGRAÇADO COMO NÃO SE VÊ INVASÕES EM ÁREAS DISTANTES DO CENTRO OU DA PRAIA, NÉ? FAVELAS PARECEM NÃO CURTIR MUITO PEGAR ÔNIBUS PRA LONGE, COMO OS TODOS OS OUTROS.

    Responder

    • Claudia disse em 04/10/2012 | 04:36.

      Falou tudo André!!!

      Favelado mora no centro, usa tênis e roupas “de marca” e enquanto isso eu e você pagamos impostos pra que o governo ao invés de melhorar o posto de saúde do meu bairro pague o Bolsa Família pra eles colocarem ar-condicionado no barraco e fazerem churrasco no fim de semana.

      Responder

  • Miguel disse em 03/10/2012 | 11:15.

    As milicias, em meu ponto de vista, devem entrar como forca nesse debate aqui!
    Sao verdadeiras mafias, se organizam e agem como tal.
    As favelas nao vao acabar enquanto nao for do interesse do sistema.
    Copa e Olimpiada vieram pro Brasil por interesse tambem do sistema.

    A solucao do problema esta Longe do rio, mas no centro do Brasil

    Responder

  • beto waltz disse em 04/10/2012 | 01:34.

    Ainda bem que os cariocas estão conscientes. Por os moradores das “comunidades” vão reeleger Eduardo Paes? Por que sabem que Marcelo Frouxo tem não cabedal para ser prefeito do rio. Outro dia passei pela Central do Brasil e vi várias pessos com cara de maconheiros distribuindo panfleto do FROUXO. O que ele esta prometendo, liberar a maconha no Rio?

    Responder

  • beto waltz disse em 04/10/2012 | 01:35.

    Nada mais é do que propaganda do Frouxo.
    O que capacita esse cidadão a virar prefeito do rio?
    Grande picareta.
    Infelizmente a cidade precisa remover sim essas favelas, faz parte do progresso. Quero ver alguém construindo um barraco em frente a casa ou apartamento de vocês e a vizinhança ficar satisfeita.
    Começou errado vai terminar errado.
    Parabens Edusrdo Paes, por fazer o que os outros não tiveram coragem.

    Responder

  • Othon disse em 04/10/2012 | 04:29.

    Não li todos os comentários, mas vi algumas pessoas alegando o usucapião como forma de LEGALIZAR os imóveis construídos em favela.
    A coisa não é tão simples.
    Primeiro é bom lembrar que terras públicas não podem ser USUCAPIDAS, ou seja, mesmo que o cara esteja na terra a 200 anos…. não há que se falar em direito de usucapir, o imóvel é do ESTADO e ponto.

    Provavelmente, por se tratar de mata-atlantica, antes de virar favela, aqueles morros eram do ESTADO. Eu disse, provavelmente, pq talvez não seja, mas acho que as chances são grandes!

    Então, em resumo…concordo que as construções são ilegais, mas acho que a população não pode ser simplesmente despejada.

    É um assunto muito delicado, e que COM CERTEZA ABSOLUTA não irá agradar a todos.

    Mas acho que todo carioca, ou melhor…. TODO BRASILEIRO, já que esta cidade maravilhosa é um cartão postal do BRASIL, gostaria de ver os morros reconstituídos, ou ao menos mais bem estruturados.

    Responder

  • Diego disse em 04/10/2012 | 06:29.

    Flávio, gostaria de lhe parabenizar por estares entrando nessa discussão, pois ela vem de muito tempo atrás não surgiu apenas com a eminência da Copa de 2014. Gostaria de fazer um breve registro, moro em Florianópolis e venho acompanhando os problemas da divisão de terra no Brasil desde que me deparei com o caso da Favela Pinheirinho de São José dos Campos (SP), e quanto mais estudo mais vejo que esse discurso de que “as classes menos favorecidas podem tudo e se for construir uma mansão não pode”. Na verdade esse é um discurso pra justificar atrocidades como a do Pinehirinho, a do Carajás, e outras, antes de entrar nesse mérito de quem pode e quem não pode, devemos ter a consciência de que quem é pobre não o é por opção, logo apesar do grande orgulho que membros de várias comunidades ostentam pelo local onde vivem, não é uma opção do pobre morar em um barraco de compensado na favela, onde não chega esgoto, não tem asfalto, iluminação, sem policiamento, sem nada. Diferente da mansão, a pessoa que constrói uma mansão poderia comprar um terreno em um lugar mais apropriado, pois detém maior condições financeiras, sociais e até culturais para isso, (digo culturais porque pra quem não tem onde morar qualquer lugar é abrigo). Devemos parar de reproduzir esse discurso pronto, eu sei que o processo de favelização é prejudicial pra sociedade em geral (em geral diz respeito aos favelados também), porém devemos atacar os grandes latifundiários, devemos nos opor a especulação imobiliária que dificulta cada vez mais o acesso a terra e a moradia digna. Em SP senhoras e senhores estão queimando casas na Favela do Moinho, colocando famílias à morar nas ruas, são crianças, idosos, pais desesperados por verem seus filhos nas ruas, essa é a realidade que devemos considerar ao discutir a questão da urbanização dos grandes centros. Eu concordo que não seja legal chegar na cidade maravilhosa e se deparar com uma favela, porém não posso ser conivente com fatos como a chacina da candelária que matou crianças por morarem nas ruas, como Carajás onde uma criança de 7 anos foi morta com um tiro na nuca, na favela do Pinheirinho onde um aposentado morreu espancado pela policia. A paisagem do morro preservado é bela, mas a vida de uma pessoa também deve ser levada em consideração, e quem vive necessita de um lugar para viver. Quem não tem onde morar não se preocupa com meio ambiente e paisagem, mas sim com o que vai dar de comer aos seus filhos na hora do almoço. Espero que nem a Copa, nem esse discurso pronto de que “o pobre pode mas se fosse um rico…” não desvirtuem as reais dimensões do problema. Forte abraço a todos!!!

    Responder

  • Bruno disse em 04/10/2012 | 09:14.

    Muita teoria, nenhuma prática!

    Quem, de fato, daria um terreno seu para o próximo (morador em situação de rua) morar? Se a resposta for não, você que comentou, é hipócrita.

    Como se na favela fosse tudo perfeito, como se não tivesse o famoso “gato” pra fazer pegar fogo. Como se as pessoas gostassem de morar na favela.

    E concordo com o Chongas, o terreno é invadido, não acho certo se achar o dono do local invadido. Se você acha certo, dá sua casa pros invasores morarem.

    Responder

    • Diego disse em 06/10/2012 | 09:24.

      Meu caro Bruno:
      Defender o acesso a uma moradia digna pra todos não quer dizer que eu deva dar minha casa pra alguém, ou você acha que quem tem onde morar deve ceder sua casa pra poder discordar da falta de democracia na divisão do solo brasileiro? Na verdade isso é outro discurso pronto pra ninguém se opor a nada e funciona bem assim “a que legal defender quem não tem onde morar porque não da tua casa pra ele? A mais se tu não da a sua casa pros outros morar tu não pode achar ruim, porque tu é um hipócrita”.
      Você não acha estranho que em manos de uma ano a mesma favela tenha pego fogo duas vezes? Sabendo que a mesma favela se localiza em uma área onde há uma grande especulação imobiliária “$”, e fica no meio de SP que recebera a Copa de 2014? Você nem desconfia que isso seja uma forma de acabar com as favelas pra que os turistas não tenham que conviver com ela? Engraçado, existem “gatos” no Brasil inteiro, mas só na favela do Muinho que pega fogo duas vezes no mesmo ano, e veja, eu não estou dizendo que na favela tudo esteja certo, estou dizendo que com tanto terreno abandonado é injusto uma pessoa não ter onde morar.
      E sobre devolver os terrenos à seus donos, eu acho muito justo, na verdade o correto seria que eles nem fossem ocupados, porém Bruno gostaria de lembra-lo quem é o dono do terreno do Pinheirinho nosso grande amigo Naji Nahas, então é difícil você falar de justiça nesse rolo, porque o próprio Naji Nahas deveria estar preso, esse terreno deveria ser desapropriado pela prefeitura de São José dos Campos para pagar as dívidas que seu proprietário tem com o município. Então a justiça funciona pra beneficiar o Naji Nahas e botar famílias na rua, mas pra colocar o mesmo na cadeia que é o seu lugar não. Que justiça é essa?
      Vejo que muitos estão comentando que se for ver a lei o correto seria tirar todo mundo de suas casas, mas usarei um exemplo aqui de Florianópolis onde os prédios da policia federal, justiça federal, ministério público do trabalho, e alguns dos imóveis de maior valor na ilha estão na Av. Beira-Mar e não respeitam o distanciamento mínimo do mar, porque ninguém derruba? Procurem na internet o caso do lago de Brasília, onde as mansões estão privatizando o acesso do público ao lago, isso é tão ilegal quanto invadir um terreno, ou até mais pois colocam em cheque o direito da coletividade que tem o acesso ao rio cerceado, porque ninguém derruba? E os trapiches para atracar suas poderosas embarcações, ficam dentro da água!!! Desrespeito total, porque ninguém derruba? Será que é difícil notar que o devido processo legal é um direito de poucos? Porque se você é pobre meu amigo seu negócio é cadeia ou morte, favela ou rua, o devido processo legal é aquele papo do começo como o próprio colega colocou “tá com dó? Leva pra casa”, acha ruim a má distribuição do solo? “da a tua casa pra eles”.
      Devemos parar de viajar nessa ideologia processualista, e judicial, meus caros a justiça no Brasil da forma que estão tratando aqui sobre desapropriação, reintegração de posse, só afeta os pobres ou você já viu alguém com dinheiro tendo sua casa demolida aleatoriamente por meio de uma liminar julgada por um juiz incompetente que foi rejugada novamente ordenando a desocupação, em um processo onde a justiça federal ordenou a interrupção dos trabalhos de desapropriação, como é o caso da Favela Pinheirinho. Onde esta o devido processo legal? Além do mais botar pessoas pra fora aletoriamente é inconstitucional tanto pro rico quanto pro pobre, e vai de encontro com os FUNDAMENTOS do nosso país, pois vivemos em um país Republicano e isso não é uma pratica republicana, a nossa Carta Magna deveria valer mais do que qualquer lei esparsa, e ela diz que os fundamentos da República são: Art. 1º, II “A cidadania”; art. 1ª, III “a dignidade da pessoa humana”. E sobre os direitos reais do CC, já que fazem tanta questão de falar dos direitos do proprietário e etc, deve-se avaliar sempre a função social da propriedade, isso também esta no Código Civil, mas eu só vejo o pessoal falando em desapropriação, usucapião, ação demolitória, estamos esquecendo os direitos fundamentais e esse importante aspecto do nosso C.C que está dentro do capitulo intitulado “Direito das Coisas” chamado FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE, que surge justamente para garantir que um terreno não fique abandonado, sem uso, enquanto pessoas não tem onde morar, a lei também prevê isso, então não é por falta de argumento jurídico que se bota uma pessoa pra rua, ao contrário o seu direito é tão tutelado normativamente quanto o direito a propriedade, sabe o que promove a desocupação de uma favela inteira? Interesses particulares, e quem conhece de processo sabe que cada um possui suas “peculiaridades” e as coisas infelizmente não são como deveriam ser. Abraço a todos!!!

      Responder

  • ThEfUcKiNgBeNdEr!!! disse em 06/10/2012 | 05:45.

    OQUE EU QUERO MESMO É VER O ESTABELECIMENTO CIRCENSE ENTRAR EM COMBUSTÃO ESPONTÂNEA!!!!!!!!!!

    Responder

  • Hellen disse em 12/10/2012 | 04:46.

    É fácil falar quando não se vive a situação, tem casa própria e carrinho na garagem. Hipócritas.

    Responder

  • Luíza disse em 30/10/2012 | 11:19.

    Na verdade, tanto os empresários tem interesses escusos nestas áreas quanto os ocupantes, eles não pagam impostos como a maioria de nós, invadiram o centro da cidade por pura comodidade, lá na baixada e em outras localidades do Rio há habitações legalizadas e acessíveis financeiramente falando, as pessoas de boa fé que queriam de fato um teto pra chamar de seu foram atrás dessas habitações, o centro é melhor pra pedir, assaltar… é um fato! Lógico que todas as regras tem suas exceções mas como já foi comentado acima a qualquer momento do dia que chegar alguém ali no morro vai ter um monte de desocupados (que nem sequer mandam os filhos pra escola) pra protestar, afrontar a polícia e criar um caos.

    Responder

  • 6.2 disse em 23/11/2012 | 10:48.

    na boa vcs que nao moram em morros ou favelas voces ja viram como a policia chega nas favelas se respeito nenhum com os moradores arrobando tudo nas morros e nas favelas tem gente de bem que mora LA. pra min vai acabar a copa depois volta tudo e so uma maquiagem entao queM mora em ap nao conhece a realidade de la MORA UM MES LA E DEIXA EU MORAR UM MES NO AP DEPOIS VEM DESCULTIR SOBRE ISSO COMIGO O POVO QUE MORA LA NAO E PORQUE QUE E PORQUE NAO TEM CONDIÇOES PARA MORA E UM APT.

    Responder

  • SIMONE D. GAVANSKY disse em 15/06/2013 | 08:08.

    lASTIMÁVEL E DESUMANO O QUE ESTÃO FAZENDO COM O POVO…

    Responder

  • Eliza disse em 15/10/2013 | 01:58.

    Flavio Lamenza, vc não tem sempre razão… Enquanto a sua narrativa, fica muito a desejar, afinal a muitos pontos que devem ser levados em consideração para que se possa fazer uma real análise do porque existem as favelas. Não sendo em grande parte uma opção morar em encostas… Existem razões sócio-economicas e históricas para este fenômeno… Sugiro que as busque e reescreva…

    Responder

  • Joao disse em 17/03/2014 | 11:00.

    O site http://www.calendario.com.br traz todos os calendários das cidades sede. Tem todas as informações de jogos (jogo, data, horário) da copa, separado por cidade.
    Além disso, tem os calendários de todas as cidades do Brasil com seus feriados. Confiram!

    Responder

Comentar

Mas leia antes estas três regras:
  1. O Flavio Lamenza tem sempre razão
  2. Os campos marcados com * são obrigatórios
  3. Em caso de dúvida, ler a regra no 1