A Polêmica sobre o Novo Código Florestal

4 de maio de 2011

É uma discussão importante, pois o Novo Código Florestal irá definir, à grosso modo, como preservar o meio ambiente sem prejudicar a produção de alimentos.

Aqui as 3 partes da série especial de reportagem do Jornal Nacional, muito interessantes, abordando os dois lados do assunto, a visão dos Ambientalistas e dos Ruralistas.

Esta aqui, a 2ª parte fala se o novo código Florestal pode aumentar o número de tragédias ambientais

O 3º é mais no foco da discussão dos deputados. Por acaso, a votaçao na câmara acontece hoje!

Este vídeo é da Fundação Boticário e já afirma que o Novo Código Florestal tem alterações que poderão reduzir drasticamente as áreas naturais protegidas de nosso país, prejudicando o meio ambiente e a sociedade civil.

Não sei se um assunto desta importância deveria ser tratado com urgência, afinal, todos os casos devem ser analisados com calma e parcimônia. Mas tudo no Brasil é ao contrário e sim, a votação ganhou caráter de urgência e será votado hoje à noite como mostra a reportagem da Reuters:

Governo descarta adiar votação de Código Florestal, diz ministro

Os deputados aprovaram na noite de terça-feira o requerimento de urgência para o projeto, com isso matéria deve ser votada nesta quarta.

Joguei as idéias no ar, e aí, o que vocês acham?

66 pessoas já comentaram

  • Glaisson disse em 04/05/2011 | 07:54.

    Chongas também é cultura! Parabéns pela abordagem!!

    Responder

  • Gabriel disse em 04/05/2011 | 07:56.

    sem dúvidas essa questão não pode ser discutida as pressas! é o futuro do meio ambiente do nosso país! onde já se viu?

    essa questão de reduzir o tamanho das áreas de preservação das propriedades rurais é MUITO SÉRIA. Eles estão querendo abolir área de preservação para pequenas propriedades rurais, e se eu bem conheço o Brasil, onde todo mundo quer dinheiro fácil e rápido, os grandes proprietários de terras logo vão dividir suas terras em VÁÁÁÁÁÁÁÁÁRIAS micro propriedades em nomes de laranjas.
    Feito isso, nenhuma dessas micropropriedades vai precisar de áreas de preservaçao e o companheiro vai ter um latifúndio sem uma árvore; só plantaçao ou gado

    Responder

  • Ka disse em 04/05/2011 | 08:04.

    Concordo com o vídeo da fundação Boticário; se tiramos a área de reserva de pequenas propriedades, grandes fazendas dividiriam o território e assim não teriam que deixar a faixa de proteção da mata! Se mesmo com a proteção, eles já dão um jeito de burlar as regras, imaginem se essas regras não existirem?!
    Mas que absurdo, o Brasil é o 5º maior país do mundo, sendo que patrimônio natural do mesmo está seriamente ameaçado pela pecuária e agricultura, e eles ainda falam de diminuir as áreas de proteção?!
    É só o Brasil mesmo heim!

    Responder

  • Juliano disse em 04/05/2011 | 08:16.

    Gabriel,
    Tudo o que diz o novo código florestal do relator Aldo Rebelo tem base técnico-científica e foi discutida durante muitos meses em todos os estados do País para se saber as necessidades de cada um.
    O que você disse sobre dividir várias vezes em nomes de laranjas, vou te dar um exemplo, no Paraná o módulo rural é de 12 hectares, ou seja, conforme sua propriedade voce vai precisar de muita gente pra dividir. E criar laranjas para propriedades de terra náo é lago tao simples de se mecher como nós vimos políticos fazendo com empresas, acredite a burocracia de “terras”é algo assustador.
    E este vídeo da boticario é um tanto tendencionista, pois a Boticário, por mais linda que seja, toda sua matéria prima ela retira de florestas, sem custos para ela, ou voce acha que o candidato a vice presidência pelo Partido Verde era o presidente da mesma á toa?!?!
    voce pode dizer que eu também sou tendencionista, pois sou produtor e filho de produtor rural, porém nós nos baseamos em pesquisas para falar o que falamos, e náo simplesmente em mídias dispersas por ai….como caso voce nao saba, mas nós sim, que muitas ONG’s ambientalistas sao patrocinadas por grandes empresas estrangeiras que serao abaladas pelo crescimento agrícola Brasileiro! Chocante nao =o

    Responder

    • Ricardo Borges disse em 04/05/2011 | 09:11.

      É ai que você se engana meu caro amigo…
      O embasamento científico utilizado no Novo Código é apenas uma minoria dos estudos disponibilizados pela comunidade científica que, por acaso, diz o que os Grandes Latifundiários querem ouvir. O restante, incluindo a SBPC e a ABC, estão abismados com a quantidade de equívocos técnicos presentes no relatório.
      Galera… Todo fundamentalismo carece de razão. Puxar uma discussão tão delicada e importante para nossas vidas para um patamar de crianças mimadas como nossos políticos estão fazendo, tanto ambientalistas quanto ruralistas não está certo.
      O pequeno produtor tem de ser favorecido? Tem. Deve ser mantida uma área de cobertura vegetal NATIVA que possibilite uma boa manutenção dos serviços ambientais? Deve.
      Mas como os pequenos e os cientistas não valem nada nas discussões dos poderosos…. Nos resta ficar atentos e dispostos a tomar atitudes, caso nossos governantes não sejam capazes de tal.

      Responder

      • Brummel disse em 04/05/2011 | 10:38.

        Estudo Engenharia Florestal na Universidade de Brasília, e concordo com você cara. Nenhum estudo avançado sobre prós e contras foi tomado como medida como deveria ser feito, como a degradação de mata de galeria a margens de rios, que reduzida para 15 metros pode acarretar em diversas consequências, além da diminuição de APP’s e isso é apenas um fator de preocupação. Ruralistas também devem ter consciência que tais medidas não serviram de propósito para um futuro sustentável e equilibrado. Pessoalmente acho que isso não passa de pretexto para razões de alguns políticos com a ficha suja, como não vejo razão para ‘cancelamento’ de alguns processos jurídicos sobre áreas degradadas e exploração madeireira como previsto no código.

        Responder

    • Juliano (outro) disse em 04/05/2011 | 09:12.

      “tudo o que diz o novo código florestal do relator Aldo Rebelo tem base técnico-científica”
      Então por que a SBPC e ABC recusaram as mudanças propostas?
      http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia/2011/04/25/sbpc-pede-adiamento-do-debate-sobre-codigo-florestal.jhtm

      “e foi discutida durante muitos meses em todos os estados do País para se saber as necessidades de cada um”
      Tá…o cara foi em sindicatos rurais e perguntaram se os agricultores tiveram problemas com o codigo vigente. Claro q responderam q sim, pois NUNCA tiveram apoio tecnico qdo começaram a trabalhar na área…As necessidades do motorista: chegar o mais rápido possivel no destino (mesmo q viajando a 300 km/h). Ele pode viajar a 300 km/h (tá…160 km/h pra ser mais “realista”)? Não..tem lei pra isso, pra zelar pela segurança dele e de pessoas fora do carro do “apressadinho”

      “(…)no Paraná o módulo rural é de 12 hectares, ou seja, conforme sua propriedade voce vai precisar de muita gente pra dividir. E criar laranjas para propriedades de terra náo é lago tao simples de se mecher (sic) como nós vimos políticos fazendo com empresas, acredite a burocracia de “terras”é algo assustador.”
      O proprietário pode subdividir (sem laranjas) em até 4-5 vezes.
      http://www.brummer.com.br/direito-ambiental/produtores-procuram-cartorio-para-escapar-da-lei-florestal/
      Então seriam terras de 200 hectares para serem divididas entre os laranjas, q podem ser os próprios filhos. Então na verdade, seriam 16-20 módulos fiscais por “proprietário” que poderiam virar só pasto.

      “tendencionista”
      todos somos. O novo código tem q agradar “ruralistas” e “ambientalistas”, desagradando “ruralistas” e “ambientalistas”. Mas tem q ser feito de forma a contemplar o crescimento sustentável (nada de pasto com uma cabeça por hectare, nem só reflorestamentos q não vingam).
      Temos q manter nossos recuros, como água e polinizadores, e manter uma atividade q sustenta o PIB brasileiro.

      “sou produtor e filho de produtor rural, porém nós nos baseamos em pesquisas para falar o que falamos, e náo simplesmente em mídias dispersas por ai”
      Temos mais do q o nome em comum (além de sermos do PR pelo jeito). Mas qq produtor responsável e conhecedor de rios e corregos, sabe q manter mata ciliar mantém a água boa. Q manter o brejo com uma mata a mais mantém a nascente. E tb sabe q lugar q só tá dando um boizinho por hectare é pq o solo tá bem degradado, por isso tem q ser melhor cuidado (além do q boi confinado + cultura anual produz mais).
      exemplo: http://www.funasp.org.br/02/agronegocio.htm
      Mas no Brasil é MUUUUUUUUUUUUUUUUITO mais barato e conveniente abrir “mato” e colocar uma cultura em cima.

      Responder

    • LC disse em 04/05/2011 | 10:25.

      Prezado Juliano, algumas ONGs realmente são financiadas por empresas estrangeiras. Mas e no caso da sociedade científica? Não somos financiados por estrangeiros, somos financiados pelo próprio país, pela CAPES, Cnpq, FAPESP e outros órgãos. Somos biólogos, ecólogos (não confundir com ecologista), engenheiros, geólogos, geógrafos, dentre muitos outros profissionais que estudaram pra isso. Não nos baseamos em “mídias dispersas por aí” e sim em pesquisas científicas que demoram anos pra ficar prontas, porque são complexas de realizar.
      Por favor, confira o livro publicado pela SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência) que pode ser baixado nesse link http://www.sbpcnet.org.br/site/arquivos/codigo_florestal_e_a_ciencia.pdf

      Responder

    • junior disse em 05/05/2011 | 11:21.

      concordo com vc em parte. eu sou engenheiro florestal no mato grosso aqui a burocracia na questão ambiental é exacerbada. O desenvolvimento sustentável tem que seguir 3 pilares: socialmente justa, ecologicamente correto e econômicamente viável e unir esses 3 fatores é muito difícil agradar a todos se fala muito de quem desmatou mais tem produtores com autorização do IBAMA de desmatar a mais e sem contar que não saia financiamento se os produtores não abrissem as beiras de rio por causa da malaria eae?! quem vai pagar essa recuperação de área degradadas que gira em torno de R$4.000,00/há degradado?! então não é tão simples como vocês imaginam, o novo código não é brando e nem duro d+ como algumas pessoas estão dizendo, aos que são leigos aceitam a opinião dos ambientalistas de ser mais severo mas na hora do seu churrasquinho de final de semana adoram uma picanha da brasa, da onde vocês acham que vem essa picanha?! o produtor tem que desmatar o permitido pra criar gado pois o consumo de alimentos esta aumentando devido ao aumento da população, os ambientalistas acham que se pode tirar proveito da floresta usando da pratica da apicultura já pensou toda criação de gado e alimentos bem como de soja algodão e etc serem convertidos em mel e favo arruinaria a economia do país fugindo do fator economicamente viavel dos fatores citados logo acime e por outro lado os que querem um código mais brando ainda são empresários que estão preocupados apenas em lucrar fugindo dos 3 fatores citados logo acima. Sobre a boticário é apenas uma jogada de Marketing aproveitando que as pessoas são leigas no assunto se aproveitam pra mostrar que estão preocupados com os recursos naturais colocando opinião de ambientalistas sendo que a empresa não retira a materia prima dos recursos naturais de maneira sustentável. Acho que a alteração é válida sim deve-se fazer essa alteração o mais rápido possível utilizando fundamentos científicos para fazer a alteração pois quem depende da terra para viver não está mais aguentando essa incerteza e burocracia exacerbada que vivemos principalmente em Mato Grosso. Poderia falar muito mais sobre o aumento do desmatamento mais creio que isso não irá ocorrer nem mesmo a diminuição das propriedades como o video da boticario cita não são falados os valores para se fazer isso custos com georrefenciamento e etc e se mesmo isso persistir uma lei complementar ao código pode ser aprovada e até mesmo o codigo estadual de cada estado que costuma ser mais rigida obrigaria as propriedades a não burlar a lei. Abraços espero ter ajudado a voces a não pensar apenas em um dos lados pq existe produtos que você usa na sua casa que precisão de uma lei definida para produzir e que você mesmo não abriria mão desses produtos.

      Responder

      • Ricardo Borges disse em 05/05/2011 | 02:08.

        Obrigado você meu caro!
        Seu comentário vai me ajudar com certeza.
        O Código elaborado pelo Deputado Rebelo prevê a divisão dos poderes da Legislação Ambiental por estados… Ou seja, cada um cuida do seu umbigo.
        Mas veja bem, se até o Engenheiro Florestal do Mato Grosso pensa assim, que chance terão os remanescentes de áreas preservadas deste estado?
        Falo isso pois sou Engenheiro Florestal da UFPR e sei que respeitar o meio ambiente e aumentar a produção são sinônimos.
        Sei também que não vamos ficar sem picanha, pois a maior parcela da produção, assim como cana, soja, etc, é destinada unicamente à exportação.
        Quem realmente põem comida em nossas mesas é a agricultura familiar, que esta sendo sufocada cada vez mais pelos grandes latifúndios, e ainda tem que aguentar ser taxada de mártir nos discursos sobre o novo Código, sem realmente ser beneficiada por tais leis.
        Sou à favor de meios de legalização do pequeno produtor, de uma produção mais moderna, tecnológica e menos extensiva e sou contra a anistia de quem pode pagar, mas não quer.

        Responder

  • Juliano disse em 04/05/2011 | 08:35.

    quanto ao vídeo sobre aumento de tragédias URBANAS, como deslizamento de terras e afins. O código FLORESTAL como o próprio nome diz, regulariza áreas rurais e florestais, tem nada a ver com áreas populacionais. Na zona urbana o que comanda é algo chamado PLANO DIRETOR que conduz como deve ser feito o crescimento municipal, ou seja, se tem gente construindo em morros ou base de morros, é porque o plano diretor libera isso ou porque não há fiscalização suficiente ou eficiente para conter isso.

    Responder

    • Juliano (outro) disse em 04/05/2011 | 09:31.

      “quanto ao vídeo sobre aumento de tragédias URBANAS”

      Garanto q grande parte da área atingida era área que pagava ITR e não IPTU. Ou seja: eram RURAIS.
      e a divisão entre rural e urbano é uma questão de tempo, pois alguma hora uma vilinha de empregados pode se tornar em uma vila “urbana” e começar a pagar IPTU, descrevendo legalmente o local como urbano.

      E todo ZEE (tema de outro post do Chongas) ou plano diretor deve ter respaldo legislativo, ou seja: código florestal neles. Oq muda é a escala entre eles.
      Todo essa transformação vila–>cidade deveria ser acompanhada pelo plano diretor, e não simplesmente acatada (q é como é feito). E esse “acatamento” foi realizado em áreas q não deveriam ter sido ocupadas. Vide tragédia na região serrana do Rio.

      Responder

      • junior disse em 05/05/2011 | 11:51.

        Concordo com você a ocupação de áreas urbanas seguem o plano piloto de cada cidade se não fosse assim como iria fazer com o ria amazonas a cidade de manaus desapareceria em área de preservação permanente. Código FLORESTAL ninguém vai ocupar morro de área rural pra fazer casas e provocar ocupação desordenada a boticário viajou nisso.

        Responder

  • DLP disse em 04/05/2011 | 08:36.

    Malditos ambientalistas.
    Os Europeus imperialistas e manipuladores defecam e os ambientalistas comem.

    Responder

  • thiago disse em 04/05/2011 | 08:50.

    eu acho que o chongas eh um otimo site de humor e não deveria postar coisas sérias como essa…. Assuntos sérios eu vejo em todos os jornais… Abraços

    Responder

    • Ka disse em 04/05/2011 | 09:41.

      Eu acho que o Flavio deve postar o que ele acha que deve postar, principalmente “coisas sérias”, levando em conta a influencia que ele tem (y)

      Responder

    • Rene disse em 04/05/2011 | 10:36.

      O blog é dele e ele posta o que quiser. Se você não quiser ler, é só pular o post. Deixa o carequinha postar materias de politica, oras! E falo isso mesmo não concordando com o posicionamento político que ele aparenta ter….

      Responder

    • Félix disse em 05/05/2011 | 03:32.

      fala sério!!! O dia que a política e o humor se distanciarem de vez, teremos um mundo muito mais desinformado, despolitizado, e chato. Faz parte. Alguns, como eu, vão ficar absorvendo na superfície uma discussão como essas, enquanto outros tem muito a falar. Quando for outro tema, pode ser eu que tenha a dizer. Isso faz parte da nova democracia mundial, e os blogs, mesmo de humor, tem sim muito a contribuir. Junto com os milhões (literalmente) de acessos que o blog tem por mês vem a responsabilidade dele fazer parte efetiva da democracia. Imagina se todas as informações viessem só de jornais. Já demos bola demais para os grandes conglomerados da mídia… Parabéns, Flávio.

      Responder

  • but what that hell disse em 04/05/2011 | 08:57.

    alg é loko de ver mil videos longos?¬¬

    Responder

    • Lu disse em 04/05/2011 | 09:32.

      Louco é você que nao pára pra ver o que realmente importa!

      Responder

    • troll disse em 04/05/2011 | 09:39.

      naum, só nóis memo que nao tem cultura que num acissti esses vidios que realmente vão fazer alguma diferença nessa rede de computadores interligada (y)
      nóis prefere aquele de bichinhos, ou de mulheres, ou de bebês ¬¬

      Responder

      • Lu disse em 04/05/2011 | 09:41.

        Certeza! Sempre tem os que preferem morrer na ignorância!

        Responder

      • troll disse em 04/05/2011 | 09:43.

        tava sendo sarcastico, ignorante é o “but what that hell”

        Responder

  • Marcus Lins disse em 04/05/2011 | 09:29.

    Flavio,

    A questão da urgência é que o Código Florestal em vigor irá colocar, em cerca de um mês, mais de 90% das propriedades rurais (sobretudo pequenas propriedades) em situação ilegal.

    O atual código é um emaranhado de adendos que vem desde a ditadura. Imagine que seu avô comprou um lote de 100 hectares em 1970, e precisava manter 25% de reserva. Aí, anos depois, alguém vem e diz pra manter 35% (só que seu avô já derrubou o que a lei deixava, e está plantando), de uma hora pra outra, tornou-se ilegal!

    Houve muito tempo pra discussão. O relator está tendo audiências e ouvindo todos os lados a bastante tempo e não dá pra acusar Aldo Rebelo, do PCdoB de ser ruralista pró-mercado. Ele teve a sensibilidade de notar que se o Código não for atualizado, os menores e mais pobres irão sofrer mais – tanto pequenos produtores, quanto os pobres urbanos, que terão menos comida (e mais cara) à mesa.

    Verifique esse blog aqui, sobre o Código que será votado na Câmara: http://www.codigoflorestal.com/

    Os ambientalistas estão indo pro tapetão, sabem que se for ao plenário (os representantes do povo), irão perder, então pressionam o Executivo.

    E, saiba-se, o Código Florestal não tem nada a ver com uso URBANO do solo, nada de cidades, apenas propriedades rurais. O que quer que haja sobre topo de morros e afins, diz respeito a plantações e não construções.

    Bom trabalho no blog! Amplexos!

    Responder

  • VAGF disse em 04/05/2011 | 09:32.

    O assunto foi discutido até a exaustão. O Aldo Rebelo correu o Brasil ouvindo centenas de cientistas. A SBPC (Sociedade Brasileira para Progresso da Ciência) teve MUITO tempo para escrever um parecer sobre o tema e não o fez. Agora fizeram um texto tentando melar a votação texto fraco sem embasamento mais parecendo um chororô de quem não tem mais o que fazer.

    Responder

    • LC disse em 04/05/2011 | 10:13.

      Meu caro, vc está muito enganado. O Aldo Rebelo não correu o Brasil ouvindo centenas de cientistas, se o tivesse feito, não teria cogitado a ideia de redigir esse código florestal tão mal feito. Ele ouviu quem ele quis!
      Vc acha mesmo que tivemos muito tempo pra escrever um parecer sobre o que a sociedade científica pensa disso? Você sabe quanto tempo leva pra se fazer um estudo científico direito? Leva anos! Por isso um mestrado dura 2 anos, um doutorado dura 4 anos e cientistas dedicam suas vidas ao estudo, porque pra se fazer algo correto e bem feito, demora anos!!! Porque não fazemos nem aceitamos esse tipo de trabalho mal feito que o sr. Aldo Rebelo está fazendo. Nós estudamos para isso.
      A SBPC não fez simplesmente um texto, fez um LIVRO inteiro, que de fraco não tem nada, provando que é preciso mais estudo, que não se pode simplesmente aprovar algo tão importante e cheio de erros da maneira que estão fazendo. Leia. Estude. Pense. Depois critique.
      Segue o link pro “texto” da SBPC http://www.sbpcnet.org.br/site/arquivos/codigo_florestal_e_a_ciencia.pdf

      Responder

      • Flavio Lamenza disse em 04/05/2011 | 11:59.

        Eu acredito nisso também. O Brasil não teve tempo para estudar toda a situação da maneira como deveria. Inclusive, sendo um assunto com esta importância, acredito que deveriam ter campanhas nas televisões explicando tudo certinho… Eu aqui no Rio não vi nenhuma.

        Responder

      • VAGF disse em 05/05/2011 | 02:20.

        Pessoal, o código está em discussão há muito tempo, desde meados do governo Lula. Assim como vários outros projetos de lei, informem-se. Não esperem a informação cair no colo.
        Eu já li e desli esse texto da SBPC e não vejo nada de concreto. Tendencioso. Por que ela não se pronunciou antes, lá no começo quando estavam discutindo do zero????
        Informação.

        Responder

  • Juliano (outro) disse em 04/05/2011 | 09:38.

    “O atual código é um emaranhado de adendos que vem desde a ditadura.”

    Hardly agreed.

    Mas a melhor solução não é abrir as pernas. E aí? E o cara q comprou a terra em 1860? O selo real garante a ele 100% de uso da terra, senão vai ter q devolver pra coroa (e nesse caso não seria a ex-mulher dele, q se casou com ele com comunhão total de bens)!

    cada caso é um caso. E é isso q o codigo novo deveria dar: segurança juridica ao produtor rural. Ele quer deixar a plantação de café ali? Então é só ter respaldo técnico de q a sua cultura não afeta negativamente a bacia hidrográfica…

    Responder

  • Jefferson Willian disse em 04/05/2011 | 09:59.

    O que a maioria das pessoas tem como idéia é a pregada pela mídia, sobre o mal do latifúndio. Mas a realidade é bem outra gente. Sabe-se que 90% das áreas destinadas a produção de alimentos pertencem aos chamados pequenos agricultores e é justamente ai o maior entrave, pois essas áreas na sua grande maioria se localizam as margens dos rios. O negócio vai muito além da questão ambiental. Querem na realidade matar o pequeno agricultor pra ficarem com outra fatia do bolo. Nome disso é política, é mágica, manipulação de interesses. Abram o olho.

    Responder

    • Felipe disse em 04/05/2011 | 10:30.

      Não necessariamente. Peguemos o exemplo a produção de leite da região Sudeste, maior bacia leiteira do país. Praticamente toda a produção de leite está nas mãos dos pequenos a médios produtores, sendo os mesmo responsáveis por boa parte da produção agropecuária do estado.

      Responder

      • Jefferson Willian disse em 04/05/2011 | 10:40.

        Compreendi seu texto mas não entendi o porque do “não necessariamente”. Mas já que tocou no assunto sobre pecuaristas e produção de leite, novamente cito esses pequenos e médios agricultores que inclusive não poderão permitir a entrada do rebanho nas áreas próximas às águas, por se tratar de APP. Enfim, o assunto é exaustivo mesmo. Mas como éramos pequenos agricultores, me preocupo com essas pessoas afim de que o governo ofereça alternativas viáveis de sustento pra elas caso percam parte de suas áreas para restaurar as matas.

        Responder

  • Anderson disse em 04/05/2011 | 10:00.

    Acho que todos aqui em cima ( ^ ) já disseram tudo que eu poderia e estaria pensando então já podem tirar uma conclusão sobre o devido assunto!

    Responder

  • Mariana disse em 04/05/2011 | 10:21.

    Redução de áreas protegidas = redução de biodiversidade = PERDAS AMBIENTAIS COM CONSEQUÊNCIAS SÉRIAS A LONGO PRAZO!!!

    Mas o que perdura há séculos em nosso, o coronelismo, é muito antigo em nosso país. E nossos caros “amigos deputados, com seus pedacinhos de terra, vão querer mais é aumentar a sua “pequena produção de subsistência”!!

    Responder

    • Paulo disse em 12/05/2011 | 10:54.

      Concordo com você, isso está sendo ditado principalmente pelas vontades dos grandes latifundiários que usam os problemas dos pequenos produtores rurais como bandeira e desculpa para obterem o que querem.
      Sou cientista (biólogo) e acredito que é necessário sim produzir, de nada vale uma propriedade 100% preservada, se o proprietário e sua família não podem sobreviver, ter uma renda digna e melhorar sua qualidade de vida. Mas tudo isso tem que ser feito de forma sustentável, é preciso aliar desenvolvimento e preservação da biodiversidade.
      Ao contrário do que muitos dizem atacando os “ambientalistas” , em geral quem pede uma maior discussão do código a preservação da biodiversidade não é um mero capricho nosso. A exploração desenfreada da biodiversidade pode trazer consequências sérias para nós, escassez de água, falta de polinização, extinção das mais variadas espécies da fauna (inclusive aquelas de répteis, aves, anfíbios e outros que ajudam no controle de pragas das plantações) e muitos outros que em sua maioria só serão sentidos a longo prazo, quando já será tarde demais para agirmos.
      Sobre o nosso “nobre” e “inteligente” deputado Aldo Rabello, sinto dizer que seu texto fraco sobre o código florestal não segue nem de longe referências científicas, muitas que já estavam disponíveis e outras tantas que foram produzidas.
      Dêem uma olhada nesse texto da IstoÉ do por que os deputados tem tanta pressa em aprovar o código e tirem suas próprias conclusões.
      http://www.istoe.com.br/reportagens/136133_PORQUE+UM+GRUPO+DE+POLITICOS+QUER+MUDAR+O+CODIGO+FLORESTAL

      Responder

  • Tiririca disse em 04/05/2011 | 10:22.

    Com certeza a opinião do Tiririca vai definir os rumos da votação. O deputado mais capacitado para resolver questões complexas……………………..

    Responder

    • Felipe disse em 04/05/2011 | 10:31.

      Tiririca parou de ler seu comentário no “Com certeza”.

      Responder

      • Tiririca disse em 04/05/2011 | 10:35.

        É mesmo? Como se escreve “com certeza”? Explique.

        Responder

  • Adalberto disse em 04/05/2011 | 10:23.

    Por isso gosto do Chongas (Flavio, não vou falar que gosto de você, eu gosto de mulher, sorry).

    Tem um monte de diversão, bobeira, peitos, tirinhas, peitos, piadas, peitos e vira e mexe, aparece algum post sobre peitos, mas também fala sobre coisas sérias.

    Sou biólogo e gostei muito de ver esse post.

    Minha admiração.

    Responder

  • jaque disse em 04/05/2011 | 11:09.

    Muito legal a iniciativa de colocar temas mais sérios no blog! é uma forma de quem não está ligado nessas notícias saber do que se trata por outra fonte de informação, que não o jornal da globo…

    Sobre o novo código florestal, eu acho que é um tema importante a ser discutido sim; com urgência, nem tanto; pois um tema tão delicado quanto o meio ambiente e o desenvolvimento sustentável deve ser analisado minuciosamente.
    mas também não pode deixar que este código seja discutido somente daqui alguns anos, como acontece com vários outros projetos de lei;
    um exemplo, é o novo código de processo civil, que está pra ser discutido; desde 2009 que se fala nesse novo código; mas ainda não virou lei. Nesse caso, o código foi discutido em todos os Estados, e ainda há discussões pela internet, onde qualquer pessoa pode opinar.

    Será que o caso do projeto do novo codigo florestal não deveria ocorrer o mesmo? mais debates, onde toda a população poderia saber do que realmente se trata o assunto e poder opinar?

    Responder

  • Monaliza Vilaça disse em 04/05/2011 | 11:26.

    Primeiramente, parabenizando o blog pela matéria…aqui não é só diversão, mais informação pra conscientizar as pessoas(blogueiros de plantão) do que vem acontecendo nesse pais.

    Bom, como sempre isso ai tem uma série de interesses…envolvendo milhões e milhões de reais.
    Como se o desmatamento…a extinção de animais fosse algo tolo, que a qualquer hora terá como reverter tudo.
    Acredito que o ser humano é muito inteligente sim, mais ao mesmo tempo burro por não pensar em catastrofes a longo prazo…como se tudo fosse fonte inesgotável! Toda essa burrice tem um troco, toda essa falta de conscientização tem um troco…enfim!

    Até onde vai o interesse, a busca absurda por dinheiro…
    teremos que perder fauna e flora por isso?!

    Responder

  • Z3hr0_C00l disse em 05/05/2011 | 02:14.

    Excelente post Flavio, você é O Cara! Queria mais amigos assim…

    Responder

  • Pablon disse em 05/05/2011 | 08:18.

    Outra coisa, não existe “pressas” nesta discussão.
    O texto já está disponível a tempos, só que NINGUÉM LEU. O governo Lula tinha de ter colocado em votação, mas não o fez. Acontece que o prazo da isenção está acabando agora, e nós seríamos jogados em uma roda viva de multas aos produtores, desabastecimento, inflação, desemprego e fome no campo. Entenderam, agora?

    Responder

    • Paulo disse em 12/05/2011 | 10:59.

      Olha cara, com certeza existe pressa.
      E desde que surgiu esse texto absurdo cientistas vem debatendo e alertando sobre essas mudanças.
      Não sou adepto somente da preservação, mas sim de um desenvolvimento sustentável, é preciso produzir, mas também é preciso preservar. Sobre os problemas de multas antigas aplicadas devido a mudança de leis, é preciso estudar, por que acho que cada caso é um caso.
      Mas acho que se desmatou ilegalmente é criminoso e deve pagar por isso, o que é o caso de muitos que não podem se apoiar nem nessa história pra se defender, como principalmente grandes latifundiários.

      Responder

  • Jeremisvaldison disse em 05/05/2011 | 09:34.

    MAMILOS … muito polêmico

    Responder

  • zezão disse em 05/05/2011 | 12:01.

    querem alguém mais vendido que esse tal de Aldo Rebelo? o sujeito se traveste de comunista enquanto a prática dele se mostra bem outra. essas atitudes são enojantes! cadê os eleitores deste cara para cobrar dele, ao menos, coerência?

    Responder

  • Felipe Martins disse em 05/05/2011 | 02:22.

    Acontecerá no próximo sábado (07/05) das 9h às 16h no auditório do SENAC na na Rua Dr. Vila Nova, 228, centro, São Paulo, um evento contra a proposta de alteração do Código Florestal Brasileiro. O tema é de suma importância a todos os cidadãos brasileiros e contará com a participação de uma galera que está lutando contra essa alteração. Tem muita gente envolvida nessa questão (Greenpeace, WWF) e quanto mais pessoas melhor =)
    Vamos participar.

    Responder

  • Isabela disse em 05/05/2011 | 02:35.

    Concordo plenamente com o vídeo da Fundação Boticário. Uma questão de tamanha importância não deve ser discutida às pressas, e sim calmamente, ainda mais se tratando do meio ambiente, um assunto tão polêmico hoje em dia, onde a tendência deveria ser preservar cada vez mais e não isentar as pessoas disso.
    No brasil tudo é discutido com urgência.
    A pressa é inimiga da perfeição.

    Responder

  • Renan Pereira disse em 05/05/2011 | 05:39.

    kra ja mais do que provado q as matas da amazonia nao ajudam e nem atrapalham no aquecimeto global, pq o gas carbonico q elas retiram durante o dia elas recolocam durante a noite. As app tem sim q ser preservadas, mais se tiver um rigor muito grande nisso acaba ficando inviavel para o produtor. Hoje o Brasil é responsavel por grande parte da produçao de alimento do mundo, e é esperado um crecimento de mais de 10% nessa participação mundial, com tanta reserva florestal isso sera imposivel por isso sou afavor do novo codigo florestal. Ahh e mais uma coisa, os grandes responsaveis pelo aquecimento global sao as grandes potencias, q queimam seus combustives fusseis e tem suas matas praticamente zeradas, aki no Brasil tudo q é plantado e é verde ajuda na retirada de gases poluentes do meio ambiente, por tanto nao importa se seja uma arvore ou um pé se soja os dois estão contribuindo afavor do meio ambiente e tambem afavor de nossa economia, ao contrario de arvores velhas q podem estar emitindo mais CO2 do q absorveno.
    Acho q esse codigo ja tinha q ter sido feito a muiito tempo, pq o produtor é o q sempre sai perdendo na histria, e ninguem ve q o PIB do Brasil é baseado na agricultura, e que se tivermos muitas areas preservadas isso atrasara o crecimento do nosso pais, as grandes potencia falam tanto da nossa preservação mais se for ver o quanto ainda tem de mata nativa na europa e nos eua é praticamente zero. sei q quase ninguem vai ler essa bosta mais quem ler pense melhor antes de virar um ambientalista, pq soja, feijao, cafe e boi nao da em arvor.

    Responder

  • Luiz disse em 05/05/2011 | 08:20.

    O que é mais preocupante, o desmatamento de uma área na Amazônia, ou a proliferação de favelas nas encostas de morros no Rio (Mata Atlântica nativa)?
    Claro que ambos são, mas qual deveria ser mais discutido e combatido?

    Responder

  • bl disse em 05/05/2011 | 08:46.

    Acredito que o Brasil deve sim preservar, porém preservemos matas ciliares, floresta amazônica e uma porcentagem do bioma cerrado, junto com o que ja há de preservação da mata atlantica, pronto. Foda é o Brasil ter que pagar pelo desmatamneto do mndo inteiro, nós temos quase 70% de mata nativa preservada, e a EUROPA? e os EUA? . Agora eles vem aqui e cagam na gente. Se tivermos que preservar esse absurdo proposto por ONG´s imaginem a queda na produção de alimentos??? ” bom foda-se o resto, eu tenho a minha comida prontinha no super mercado e dinheiro para comprá-la!” .É como disse um homem certa vez: esses ambientalistas que nao conhecem a realidade da produção de alimentos, não produzem nem o que fumam.

    Responder

    • Paulo disse em 12/05/2011 | 11:01.

      Essa informação de 70% de área preservada no Brasil é muito mentirosa, me mostra a fonte ai. E espero que não seja uma noticia de jornal ou uma fala do Aldo Rabello e seus parceiros.

      Responder

  • Julio teis disse em 05/05/2011 | 09:11.

    Flávio Lamenza: Vc comentou q aí no Rio não viu nada e com ctza muitos nas grandes cidades do sudeste também não. Da mesma maneira que muitos acham que comida e carne nascem prateleiras do Pão de Acucar…
    Estão todos criticando os ruralistas mas estão reclamando com as mãos sujas de óleo de soja que saiu dos camarões à milanesa e dos milhões de churrascos feitos diariamente no Brasil.
    Convido todos a conhecerem o Mato Grosso e / ou outro estado que produz o alimento que todos comemos.
    Pode começar com vc Flávio. Que tem o Rodrigo do Jacaré Banguela (o qual é de Mato Grosso) e vc pode ir com ele. Sua posição aqui esta clara – da mesma maneira a de muitos. Porém acho que estão julgando sem conhecer o lado daquela categoria que alimenta e puxa positivamente a balança comercial brasileira.

    Responder

    • DColombo disse em 08/05/2011 | 02:38.

      Falou tudo!

      Responder

  • Fran disse em 05/05/2011 | 11:42.

    A votação na câmara foi adiada pra terça q vem galera, dia 10.

    Responder

  • Malthus disse em 06/05/2011 | 11:37.

    Hoje o Brasil está passando por um surto ambiental. Tudo gira em torno da questão ambiental. Mas isto tem prazo para acabar. Pesquisem a tendência do preço dos alimentos para daqui uns 20 ou 30 anos. É assustador. Quando os preços atingirem um patamar elevadíssimo, essas leis ambientais começarão a ser derrubadas uma por uma.

    O Brasil hoje tem o alimento mais barato do mundo, por isso que existe toda essa preocupação ambiental. Na hora que a população começar a sentir o impacto dessas políticas ambientais no bolso, quero ver se o opinião pública não irá mudar. Tem muita gente que acha que alimento cresce em prateleira de supermecado. Lembrando que sou a favor de preservação ambiental, principalmente, de encostas, margem de rios e florestas (todo proprietário rural consciente é a favor), o problema é que no Brasil as leis são exageradas.

    Responder

  • Fernanda disse em 06/05/2011 | 08:15.

    Ta certo, entao…já que daqui a uns 20 ou 30 anos o preço dos alimentos vai tá um absurdo, que se fod* o meio ambiente agora. Daqui a 20 ou 30 anos não vamos precisar mais dele mesmo, né…não vamos estar aqui pra ver o que vai acontecer…
    Realmente é um exagero do Brasil e dos ambientalistas querer proteger o ambiente que sustenta toda a vida do planeta…é…acho que isso não tem importância mesmo…só a comida tem importância…
    Galera, se não houver meio ambiente saudável daqui um tempo, haverá muito menos comida…dá pra entender isso?
    E renan, uma plantação de soja e uma floresta podem sim consumir e emitir o mesmo tanto de gás, mas concorda comigo que a biodiversidade é muito prejudicada numa plantação de soja?? Ou é dificil entender isso? Então vamos plantar o mundo todo de soja e que se fod* o resto dos organismos. Pensamento mais aberto, meu caro.
    Dinheiro não é tudo nessa vida. E o que eles querem é mais dinheiro no bolso. Só isso.

    Responder

  • jyajimaxxx disse em 07/05/2011 | 11:27.

    Humor com consciência. Parabéns, pois é um ponto muito importante e devemos cobrar os que foram colocados lá no plenario.

    Responder

  • Blogdojosival disse em 08/05/2011 | 10:44.

    Aldo rebelo se vendeu aos ruralistas e quer a todo custo garantir seu acordo. Ta na claro que a nova proposta posta do código florestal vai acabar anistiando os predadores da natureza, dizer que reduzir área de preservação, deixar de punir quem cometeu infração ao meio ambiente é valorizar a agricultura, é brincadeira! valorizar a agricultura é fazer investimentos estruturais nas comunidades rurais do país que vem sofrendo até os dias atuais – estradas, saúde, moradia, estrutura pra produzir – essas demandas é que precisam ser resolvidas,desse jeito eu acredito em desenvolvimento da agricultura, agora, apoiar quem já está com o bolso cheio de dinheiro e que tudo que produz é pra ser levado pra fora não resolve a miséria do país.

    forte abraço.

    Responder

  • Leonardo Quaresma disse em 10/05/2011 | 09:42.

    Primeiro, Aldo Rabelo quer o que muitos brasileiros também desejam, ver o Brasil em primeiro lugar no ranking da economia mundial, mas nos queremos velo chega la e permanecer la. mas Rabelo com o apoio de ruralistas é talvez com o objetivo de cumpri promessas feitas aos mesmos, ele esta indo na direção contraria. Do que adianta diminuirmos as nossas matas ciliares( independente do tamanho ou largura do rio) para aumenta nossa produção e daqui a dez anos, ou talvez menos não termos água o suficiente para sustenta a produção e a nossa posição no ranking da economia mundial. Do que adianta desmata topos de morros (independente se é zona rural ou urbana) e correr o risco de ter que gasta milhões para reconstruir um cidade e o principal, perde centenas de seres humanos em um unica noite. E é que a constituição coloca a vida do ser humano em primeiro lugar.

    Segundo; nos não precisamos aumentar essa produção. precisamos melhora nossas políticas de distribuição desses alimentos, muitos perdem em depositos do governo por falta de responsabilidade do mesmo.

    Terceiro; o problema e nosso e enquanto a população estive crescendo ele não vai se resolver, vão continuar o desmatamento, a utilização inadequada da agua e entre outros problemas causado pela agricultura . como a constituição de qual quer país coloca a vida em primeiro lugar, enquanto faltar alimentos ele passaram por cima de tudo e continuaremos com todos esses problemas. Temos que estudar maneias e cria políticas para diminuir a população a nível que a natureza consiga suportala.

    Sou estudante de biologia e ambientalista e defendo a correção do novo código florestal. e peso essas pessoas que realmente não sabem nada do que esta falando para não opinar. Fernanda por ex. procure informar sobre a importância da natureza no equilíbrio do meio ambiente, ou de qual quer que seja o assunto antes de dar sua opinião, ok.

    Responder

  • MCG disse em 16/08/2011 | 04:23.

    Desde de quando ruralistas pensão nas pessoas que estão passando fome?
    Eles querem aprovar essa lei so pq não vão conseguir comprir a legislação pq o que precisa ser preservado foi totalmente desmatado, na realidade o que eles estão fazendo é como a “lei seca” onde o motorista bêbado se quiser não precisar assoprar o bafometro para não produzir provas contra si, ou seja, a culpa é do atropelado que não saiu da frente. Agora o que estava ilegal torna-se legal. Pronto, agora ninguém esta irregular e dane-se o meio ambiente, até quando eles precisarem, so que fica mais difícil recupera-ló.

    Responder

  • Antonio Carlos disse em 13/09/2011 | 10:58.

    Uma coisa que preocupa no código é a redução das matas ciliares, por causa do assoreamento dos rios, o que pode causar enchentes e também secar os rios.

    Responder

  • Caio disse em 13/09/2011 | 04:48.

    Precisamos nos policiar muito quando a esse novo código florestal, não podemos deixar com que essas alterações previstas estraguem nossa natureza, temos é que preservar mais a natureza e não torná-la mais vulnerável.

    Responder

  • Carlos costa disse em 14/09/2011 | 10:49.

    Não podemos deixar o código ser aprovado como esta, sera um crime contra as gerações futuras.

    Responder

  • ANDRÉ disse em 14/09/2011 | 01:44.

    Esse novo Código florestal é um risco para nós brasileiros e até mesmo para o mundo, precisamos impedir sua aprovação.

    Responder

  • kamila disse em 28/09/2011 | 05:12.

    Esse vídeo esta conpletamente certo o quer será de nós sem a floresta(Amazônia).Alem do prejuiso a natureza, tera támbem para nos humanos temos que protesta contra essas novas leis.

    Responder

Comentar

Mas leia antes estas três regras:
  1. O Flavio Lamenza tem sempre razão
  2. Os campos marcados com * são obrigatórios
  3. Em caso de dúvida, ler a regra no 1